Até que enfim o ano começou… Já estava mais que na hora de nos concentrarmos e nos prepararmos para as provas de vestibulares e os concursos públicos estão aparecendo pela nossa região. E como bem sabemos, a nossa Língua Portuguesa tem sido a mais exigida e cobrada por essas instituições. Por isso, não há nada mais justo que oferecermos a vocês a oportunidade de, a cada segunda-feira, aprender um pouco mais através das nossas dicas mais Bakanas. Afinal, aprender nunca é demais! E o Cuidado com Língua está aqui para ajudar você.
No programa de hoje responderemos a dúvida da nossa ouvinte Gabryelle Santos do bairro São Francisco. Embora eu acredite que essa dúvida não seja só sua, Gabryelle.
Todos os dias encontramos várias pessoas que nos questionam quanto ao uso das palavras MAS e MAIS. Por serem bem “parecidinhas”, tendo apenas o I como diferencial expressivo na escrita, elas causam um tumulto danado na hora de aplica-las em nossas frases.
Pois bem, com a explicação de hoje você nunca mais cometerá o equívoco de confundi-las. São parecidas, mas, como tudo na Língua Portuguesa, não são iguais. Essas, então, exercem funções bem diferentes. Fique ligado na explicação, pois somos reflexo daquilo que falamos, logo, precisamos nos expressar bem e usar bem o nosso Português.
Então, vamos à explicação de hoje.
A palavra MAS, escrita sem a vogal I, dentro da nossa língua pertence à classe gramatical das conjunções. Ou seja, ela está entre aquelas palavras que servem para ligar uma oração à outra, uma frase à outra, expressando uma ideia de oposição, de adversidade, de contrário. Como por exemplo: “João trabalha muito, mas ganha pouco”, “Disse que ia ao teatro, mas não foi!”.
Já a palavra MAIS, escrita com a vogal I, pertence à classe gramatical dos advérbios. Nesse caso, ela aparece como indicador de intensidade, quantidade. Observe: “João era o mais romântico da sala”, “Marina venceu mais uma vez!”.
Perceberam como é fácil diferenciar as duas?
Sempre usarei o MAS para me referir a ideias que são contrárias. A algo que queria que tivesse acontecido, mas que não aconteceu. E o MAIS eu sempre usarei para fazer referência à quantidade e intensidade. Dessa maneira, você evitará muitos equívocos na hora de falar e, consequentemente, escrever. Deu para aprender?
Observe então comigo como o célebre cantor Renato Russo empregou corretamente estas duas palavras em uma mesma música.
“Mas é claro que o sol vai voltar amanhã, mais uma vez, eu sei” (Mais uma vez – Legião Urbana)
Perceberam?
Na primeira frase onde ele afirma que apesar de tudo o sol irá voltar, empregou-se a conjunção adversativa MAS, pois expressa a ideia contrária. Já na segunda parte, onde ele afirma que isso acontecerá de novo, com maior intensidade, empregou-se o advérbio de intensidade MAIS.
MAS é claro que com essa dica você não vai MAIS cometer estes equívocos, afinal, o Cuidado com a Língua, o Mix 96 e a 96fm preparam as melhores maneiras para descomplicar o seu Português.
Faça você também como a Gabryelle! Envie sua dúvida para a gente e teremos o maior prazer em responder. Você pode fazer isso através das redes sociais ou pelo site da guanambifm.com.br. O que você não pode é permanecer com esta dúvida. Envie-a para nós. Só a 96fm tem as dicas mais bakanas para você aprender.
Toda segunda-feira, dentro do mix 96, Cuidado com a Língua, comigo, Fernanda Araújo.

Anúncio

Deixe uma resposta