Anúncio

por Pedro Venceslau | Estadão Conteúdo

xIMAGEM_NOTICIA_5.jpg.pagespeed.ic.p55SRql96O
F oto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasi

 

Depois de uma sessão tumultuada na última terça-feira, com direito a bate-boca entre deputados e pressão de manifestantes, a reunião da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara que discute a redução da maioridade penal teve o acesso restringido nesta segunda-feira, 30. Apenas 15 ativistas contrários à medida e 15 a favor puderam entrar no plenário 1 da Câmara. A comissão debate a admissibilidade da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos. A presidente da União Brasileira de Estudantes (Ubes), Bárbara Melo, de 20 anos, foi uma das ativistas que conseguiu vaga no plenário. “A Câmara está criando dificuldades de acesso para nós”, disse a líder estudantil, que mobilizou 60 estudantes para o ato. “Se (a PEC) passar por aqui, ninguém segura o plenário. Será uma sessão tumultuada. O PT tentará obstruir”, previa o deputado Capitão Augusto (PR-SP). A sessão desta segunda começou tumultuada e com bate-boca entre a deputada Erika Kokay (PT-DF) e o presidente da CCJ, Arthur Lira (PP-AL). Os petistas querem postergar a votação do projeto.

Anúncio

Deixe uma resposta