Anúncio

Boa tarde, amigo ouvinte.

Estou aqui, em mais uma segunda-feira, para trazer à vocês as dicas mais Bakanas sobre a nossa Língua Portuguesa.

Sei que para muitos as regras e exceções do nosso Português acabam, em muitos casos, tornando grandes vilãs na hora de falar ou escrever. É por isso que estamos aqui: para ajudar você a simplificar essas questões e transformar o aprender em algo bem dinâmico e fácil.

Então, vamos à dica Bakana de hoje, pois aprender nunca é demais.

Pois bem… Muitas são as dúvidas quando o assunto envolve os tais dos verbos e suas conjugações. Embora seja uma das classes gramaticais mais utilizadas em nosso vocabulário é também aquela que deixa mais objeções na hora da produção correta. Por isso, o programa de hoje traz para vocês uma explicação bem breve e simples sobre a conjugação do verbo PAGAR na sua forma do particípio. Na verdade, devo dizer tinha PAGO OU PAGADO a conta?

Aqui, depois da explicação, você decidirá pela forma correta.

Este assunto sempre provoca muita discussão. É a guerra dos particípios. Isso ocorre porque o particípio geralmente termina em – ADO ou –IDO: falado, comunicado, empregado, vendido, perdido, partido, saído. Entretanto, alguns verbos irregulares apresentam formas diferentes: escrito, feito, posto, visto, aberto, descoberto.

Mas o problema todo está nos verbos que apresentam as duas formas: a regular (terminada em ADO OU IDO, como pagado, pegado, gastado e ganhado) e a irregular (pago, pego, gasto, ganho). Esses sempre causam confusão quanto ao seu uso.

Há aqueles que defendem o uso exclusivo da forma regular e negam a existência da forma irregular. Outros pensam o oposto. Dizem que as formas regulares entraram em desuso e que só deveríamos usar as formas irregulares. E ainda há uma terceira opinião daqueles que aceitam as duas formas.

Na realidade, as duas formas são aceitas. Estão corretas. O que simplesmente acontece é que a forma regular (PAGADO) remete às formas clássicas do bom Português. Enquanto que a forma irregular (PAGO) ganhou espaço e entrou em uso na linguagem coloquial do brasileiro. Entretanto, precisamos saber quando é certo usar uma ou outra forma.

Quanto ao uso das duas formas, defendo a regra tradicional para os particípios abundantes quando diz que:

1a) A forma regular (PAGADO) só pode aparecer nos tempos compostos acompanhados pelos verbos TER e HAVER:

“Ele tinha pagado a conta.”

“Ela havia pegado os documentos.”

2a) Já a forma irregular pode ser usada como os verbos auxiliares SER e ESTAR:

 “A conta foi paga”;

“A prestação está paga”

Deu para perceber quando devemos utilizar o particípio do verbo? Pois bem… Acompanhados de HAVER e TER, uso a forma regular PAGADO. Antecedidos de SER e ESTAR, uso a forma irregular PAGO.

Então, faça como Fernando e Sorocaba e pague pau também para a nossa explicação.

“Você diz que não me ama, você diz que não me quer

Mas fica pagando pau, qual é que é

Todo dia seu teatro é exatamente igual

Você finge que me odeia, mas no fundo paga pau” (Fernando e Sorocada – Paga pau)

Assim como eles, aprecie nossa explicação e entenda que na 96 as dicas de Português se tornam fáceis, fáceis. E para terminar, uma última observação. As formas “trago” e “chego”, que costumeiramente falamos, como particípios, são inaceitáveis. Devemos usar apenas as formas clássicas: “Ele tinha TRAZIDO os documentos” e “ela já havia CHEGADO”. Decorou? Não existe, portanto, “eu tinha trago” ou “ele havia chego”. A não ser que você esteja fazendo uma piada…

Mas com tantas coisas a pagar, é claro que você não vai querer fazer nenhuma piadinha, não é mesmo? Por isso, envie sua dúvida para nós que buscaremos a melhor forma de descomplica-la. Só o Cuidado com a Língua e a 96fm preparam as melhores dicas para você.

Toda segunda-feira, dentro do mix 96, Cuidado com a Língua, comigo, Fernanda Araújo.

Anúncio

um comentários

    • Nós que agradecemos, Jorge. Fazemos o nosso melhor pensando em vocês ouvintes. Que bom que está curtindo!!!

      Acompanhe-nos sempreee!!
      Abraços.

Deixe uma resposta