Anúncio

Tiago Marques | Redação 96FM

O médico baiano Manoel Barral Netto foi premiado pelo programa Ciências da Vida da Unesco. O mérito veio por suas pesquisas sobre leishmaniose e a malária. Dr. Barral é soteropolitano e irmão da médica Odette Barral, pediatra muito conhecida em Guanambi e Região.

Ceravita post

Como chefe da pesquisa e diretor do Centro de Pesquisas Gonçalo Moniz-Fiocruz, de Salvador, Barral contribuiu no desenvolvimento de ferramentas de controle na área das doenças transmissíveis e relacionadas com a pobreza que afetam, segundo a Fundação Oswaldo Cruz, 90% da população mundial, deixam o rastro de 1 milhão de mortos por ano e possuem apenas 10% do investimento global em pesquisa farmacêutica.

Também foram premiados, o cardiologista indiano Balram Bhargava, o chefe do centro colaborador da Organização Mundial da Saúde (OMS) de Arbovirus e febre hemorrágica em Dacar, o senegalês Amadou Alpha Sall. O indiano conseguiu destaque por desenvolver ferramentas inovadoras, eficazes e acessíveis para tratar doenças cardiovasculares com grande impacto social em entornos sem recursos e o senegalês pela contribuição ao desenvolvimento e disseminação de ferramentas de diagnóstico e controle de doenças virais como o ebola, o chikunguya e a dengue.

O prêmio visa reconhecer instituições, atividades e pesquisadores que se destacam em pesquisas em ciências biológicas com vistas a melhorar a qualidade da vida humana. A divulgação dos agraciados ocorreu nesta segunda-feira (12) e a entrega dos prêmios aos três ganhadores vai acontecer em Paris, em 14 de novembro.
Sketch Post

Manoel Barral Neto

servletrecuperafotoManoel Barral Netto (Médico, Faculdade de Medicina da Bahia -UFBA, 1976; Doutorado em Patologia Humana em 1988) é membro titular da Academia Brasileira de Ciências e Comendador da Ordem Nacional do Mérito Científico. Atualmente é pesquisador titular da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ-Bahia) e professor titular da Faculdade de Medicina da Bahia (Universidade Federal da Bahia). Atua na área de Imunoparasitologia. Os temas mais freqüentes da sua produção científica são: leishmanioses, imunorregulação e vacina. Foi Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da UFBA e Diretor da Faculdade de Medicina da Bahia (UFBA). Foi Diretor de Programas Temáticos e Setoriais do CNPq (2003 a 2006), membro da Comissão de Assessoramento Técnico Científico (CATC) do CNPq e da Comissão Lattes do CNPq além de membro do Comitê Gestor do Fundo Setorial de Saúde (MCTI). Foi Diretor de Cooperação Institucional do CNPq de março de 2011 a maio de 2013 e atualmente é Diretor do Instituto Gonçalo Moniz (FIOCRUZ-Bahia). (FONTE LATTES CNPq)
Anúncio

Deixe uma resposta