Brumado Notícias

Rodrigo Aguiar – A Tarde

O Tribunal de Contas da União (TCU) sugeriu a redução da Ferrovia Oeste Leste (Fiol) – com a conclusão apenas do trecho entre Ilhéus e Caetité – e quer ouvir o ex-presidente da Valec (estatal responsável pelas obras), José Lucio Lima Machado, atual presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia (Conder).

VEJA MAIS SOBRE AS OBRAS DA FIOL

vianorte post

O TCU quer uma audiência com Machado para avaliar se ele deve ser multado por assinar contratos para fornecimento de trilhos e outros materiais de forma antecipada, sem observar o andamento das obras.

O ex-presidente da Valec foi procurado por meio da assessoria da Conder, mas não houve retorno até o fechamento desta edição.
A Valec, por sua vez, disse estar informada dos acórdãos do TCU, embora não notificada oficialmente. “Quando assim ocorrer, a empresa apresentará sua defesa. De todo modo, a Valec cumprirá todas as determinações exigidas pelo Tribunal de Contas”, disse a estatal, por meio de nota.

Sketch Post

Atraso nas obras da FIOL

Após analisar a situação dos trechos da Fiol, o tribunal recomendou à Valec, assim como aos ministérios dos Transportes e Planejamento, reavaliar o custo-benefício da ferrovia e considerar como alternativa finalizar somente os lotes 1 a 4 (Ilhéus a Caetité), além de concluir a conexão com o porto de Ilhéus.

Além do atraso na entrega da ferrovia, o TCU menciona “a queda do preço do minério de ferro e possível redução da produção, aumento da taxa de juros paga pelo governo federal e contingenciamento” em meio à crise como fatores que justificariam reavaliar a viabilidade da Fiol.

Pelo cronograma original, o trecho entre Ilhéus e Caetité estaria em operação até janeiro de 2013. Em janeiro de 2014, era prevista a operação até a região de Barreiras e, finalmente, até Figueirópolis (TO) em janeiro de 2015.

O chefe da Casa Civil do governo do Estado, Bruno Dauster, afirmou que a recomendação do tribunal foi baseada em um “equívoco de interpretação”. “Claro que existe um atraso significativo, mas nada indica que esse projeto da Fiol e do Porto Sul não tenha a sua plena viabilidade garantida”, disse o secretário.

Dauster informou ainda que será publicado na segunda-feira, 26, um decreto de utilidade pública, da Presidência da República, que permitirá a desapropriação da área do Porto Sul. “Isso é pré-requisito para a autorização de supressão de vegetação, dada pelo Ibama, que é o último documento que faltava para fechar o licenciamento ambiental”, declarou o secretário.

Materiais antecipados

A aquisição de materiais antes do período necessário já causou prejuízo da ordem de R$ 54 milhões e, a cada mês, continua custando R$ 5,4 milhões ao Tesouro, conforme o tribunal.
Em trilhos, a Valec já havia adquirido, até maio deste ano, 85% da quantidade necessária para a obra. No mesmo mês, porém, a montagem de grade, que começou em janeiro de 2015, atingiu apenas 10% do trecho. “O grande intervalo entre a aquisição e a aplicação dos materiais constitui ato de gestão antieconômico”, diz trecho de relatório do TCU.

Anúncio

Deixe uma resposta