TribunadaBahia

Trocar o Legislativo estadual por um Executivo municipal. Esse é o plano de pelo menos 15 deputados que integram a Assembleia Legislativa da Bahia, que podem disputar prefeituras na eleição do ano que vem.

vianorte post

Pela legislação eleitoral, políticos em mandatos eletivos não precisam se licenciar do cargo para concorrer a qualquer pleito e isso é uma dor de cabeça a menos para os parlamentares.

Com base nas movimentações de direções partidárias e articulações políticas é possível apontar cidades como Feira de Santana, onde os deputados Zé Neto (PT), Carlos Geílson (PSDB) e José de Arimateia (PRB) podem disputar a prefeitura hoje administrada pelo democrata Zé Ronaldo. Em 2016, Zé Ronaldo venceu Zé Neto com 195 mil votos, ante 55 mil do petista.

Em Salvador, o deputado Sargento Isidório (sem partido) deve entrar no páreo como uma das candidaturas da base aliada ao governador Rui Costa (PT).

Vitória da Conquista poderá reunir três deputados na disputa pelo Executivo. O radialista Herzem Gusmão (PMDB) aparece como favorito nas pesquisas, mas poderá ter que duelar nas urnas com colegas parlamentares como Fabrício Falcão, pelo PCdoB, e Zé Raimundo, nome cogitado no PT para brigar pela prefeitura do município.

Em Itabuna, no sul baiano, a oposição formada pelo DEM, PSDB e PMDB busca um consenso e o nome do deputado tucano Augusto Castro aparece na lista como uma possibilidade. Lá, Castro poderá ter que enfrentar outro deputado, mas federal, o comunista Davidson Magalhães, que pode sair candidato com o apoio do atual prefeito Vane da Renascer (PRB).

Um dos pupilos do prefeito ACM Neto (DEM), o novato na AL, Pablo Barrozo é pré-candidato pelo Democratas na cidade de Barreiras, importante polo do agronegócio no oeste baiano. O parlamentar poderá enfrentar a ex-deputada Kelly Magalhães, que já foi colocada no páreo pela direção estadual do PCdoB. Outro novato no posto de deputado estadual e que pode tentar prefeitura é o peemedebista Hildécio Meireles. Ex-prefeito de Cairu, o parlamentar conseguiu eleger seu sucessor em 2012, Fernando Brito, mas pode tentar retomar o posto em 2016. Também em primeiro mandato, o petista Gika, que se elegeu com o apoio do prefeito de Serrinha, Osni Cardoso, de quem era vice, pode ser a aposta do partido na sucessão municipal.

Bira vira opção para Rui acalmar o PT 
Em Camaçari, existe a possibilidade de o deputado Bira Coroa ser alçado ao nome do PT para prefeitura em 2016. No entanto, para isso ocorrer, deverá haver grande mobilização no partido que possui o prefeito Ademar Delgado e que não abrirá mão de tentar seu segundo mandato. Luiz Caetano, deputado federal e ex-prefeito do município, também é um nome que briga pela preferência do governador Rui Costa. Pelo que se diz nos bastidores governistas, Bira pode ser a alternativa do governador para selar a paz no município.

Em seu nono mandato como deputado estadual e prefeito de Ipirá por duas vezes na década de 70, Jurandy Oliveira (PRP), pode tentar a prefeitura da sua cidade natal novamente. Tentando angariar apoio político, o deputado tem se aproximado do governo Rui Costa.

Caso as candidaturas se confirmem, a AL poderá ficar deserta nos meses que antecedem as eleições, uma vez que os parlamentares se dedicam às campanhas em suas respectivas cidades. A possibilidade de eleição mantém um grupo em estado de alerta: os suplentes. Caso os deputados consigam êxito em suas tentativas nos municípios, as cadeiras do Legislativo serão preenchidas pelos substitutos.

Deixe uma resposta