Reprodução

Dois vereadores de Bom Jesus da Lapa, no oeste da Bahia, registraram nesta quinta-feira (23) uma queixa-crime contra o prefeito e também presidente da UPB, Eures Ribeiro. Segundo os autores da denúncia, o gestor teria proibido os dois vereadores de terem acesso às repartições públicas que vinham fiscalizando e denunciando as irregularidades da administração. “Como fazemos sempre, hoje tentamos visitar uma escola da rede municipal para mostrar como a unidade está funcionando de forma precária, mas fomos barrados na entrada e surpreendido com a notícia de que eram ordens do prefeito. Ao fazer isso, Eures desrespeita a Lei Orgânica do Município, da Constituição Estadual e Federal (Artigo 31), que assegura ao vereador a prerrogativa legal de fiscalizar repartições municipais, sem nenhuma restrição”, contrapôs o vereador Neto Magalhães. Ele classificou o ato como “ato desesperado e arbitrário”.

Para ele, essa é uma tentativa de esconder as irregularidades da gestão e de reprimir a oposição.“Para quem anunciou recentemente que a prefeitura tem em caixa mais de R$ 10 milhões, ele não deveria estar com medo de mostrar a realidade, pois presume-se que tudo esteja no lugar. Então, por que tentar atrapalhar o trabalho dos vereadores?”, questiona. Já o vereador Jair do Leocádio, que também foi impedido de entrar na escola, questionou: “se está tudo tão perfeito na administração, como o prefeito insiste em dizer, por que ele está com medo de que a oposição mostre a realidade? Que gestão é essa que só aceita elogios e aplausos, mas não ouve as críticas? Quer dizer que os aliados podem entrar e sair, mas a oposição é proibida de trabalhar? Isso é um absurdo”, disse.

Anúncio

Deixe uma resposta