Rio de Janeiro - O Inca e o Ministério da Saúde inauguram, no Hospital do Câncer II (HC2), o primeiro Centro de Diagnóstico do Câncer de Próstata da rede pública do Rio de Janeiro (Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Anúncio

O Instituto Nacional do Câncer (Inca) voltou a fazer cirurgias em seu principal hospital, na Praça Cruz Vermelha, no centro do Rio, depois de suspender os procedimentos por suspeita de contaminação da água. A decisão de retomar as cirurgias foi tomada com base em análises que mostraram que não há contaminação.

As análises foram realizadas pela Vigilância Sanitária, pela empresa terceirizada de controle microbiológico e pela companhia que fez a lavagem do sistema de abastecimento do hospital.

Os procedimentos cirúrgicos estavam suspensos desde o último dia 24. Serviços de quimioterapia e endoscopia também voltaram a ser feitos.

Segundo o instituto, as torneiras da unidade já estão liberadas para o uso, mas os bebedouros permanecerão bloqueados até hoje, para que seja feita a lavagem de todos os filtros do hospital.  Enquanto isso, o hospital continuará disponibilizando água mineral para pacientes, acompanhantes e colaboradores.

Suspeita

Após uma pane no sistema de esgotamento do Hospital do Câncer I, no último dia 23, os procedimentos de quimioterapia de adultos e crianças, cirurgia eletiva e endoscopia precisaram ser suspensos. Segundo o Inca, o problema ocorreu em uma bomba responsável pela destinação final dos resíduos de nutrição da unidade.

A pane teria afetado a qualidade da água distribuída em uma das colunas do edifício, provocando o descarte de todo o líquido atingido, bem como a higienização e o reabastecimento do reservatório.

Fonte: Jéssica Antunes*, estagiária da Agência Brasil *Sob supervisão de Vitor Abdala.

Anúncio

Deixe uma resposta