INB diz que Urânio em água de Poço em Lagoa Real é natural

Publicado por
Tiago Marques
Compartilhado

Tiago Marques | Redação 96FM

Em seminário que discutiu os impactos e prejuízos do Programa Nuclear Brasileiro  a realizado em Angra dos Reis (RJ) no último dia 7 de Agosto, o representante da Comissão Paroquial de Meio Ambiente de Caetité, Gilmar Santos denunciou a contaminação por urânio da água de um poço no município de Lagoa Real. Segundo o ativista, o local deveria ter sido lacrado há pelo menos três meses, mas isso ainda não aconteceu. Em Julho a INB teria emitido um boletim no qual emitiu a contaminação do referido poço.

O poço em questão está localizado na propriedade do o senhor Osvaldo Antônio de Jesus na comunidade de Varginha, zona rural de Lagoa Real e fica a 20Km da mina de extração. A INB informou que analisou a água do poço a pedido do proprietário, responsável pela perfuração. A análise constatou que os teores de ferro, manganês e urânio estavam acima dos limites recomendados pelo Ministério da Saúde. O resultado foi entregue ao proprietário e à prefeitura de Lagoa Real informando que a água é impropria para consumo. A empresa informou que não tem competência para determinar o fechamento do poço.

No entanto, a INB esclarece que a localidade está localizada em uma região denominada como a “Anomalia 7”, rica em concentração de urânio. Em regiões com essas pode ser normal a água apresentar naturalmente níveis elevados deste mineral. A empresa esclareceu também que o poço está localizado na Sub-Bacia do Rio São Pedro e a Unidade de Concentração de Urânio na Sub-bacia do Riacho das Vacas, ou seja, as águas que passam pela INB não passam pela região de Varginha.

A INB analisa regularmente as águas de 132 poços situados em áreas que podem sofrer algum impacto da atividade mineradora e afirma que desde que iniciou o monitoramento, não constatou mudanças significativas na qualidade da água.

Durante o evento e Angra dos Reis, o Movimento Articulação Antinuclear Brasileira a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) e o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (IBAMA) caracterizam os relatórios de monitoração ambiental da INB de “incompletos, inconsistentes e inócuos”. Técnicos do Ibama também apontam falhas graves na base do Programa Nuclear Brasileiro, como a falta de manual para situações de emergências e procedimentos gerais de segurança, saúde e meio ambiente e a não correção de várias irregularidades determinadas em diversas ocasiões.

Com Informações de Caetité Notícias

Tiago Marques
Publicado por
Tiago Marques

Notícias recentes

Visitas em hospitais estaduais da Bahia foram suspensas após aumento de casos de coronavírus

O Centro de Operações de Emergência em Saúde (COES) determinou a suspensão das visitas em…

Duas tentativas de feminicídio foram registradas em Luís Eduardo Magalhães em menos de 4h

Duas mulheres foram vítimas de tentativa de feminicídio, neste sábado (22), em Luís Eduardo Magalhães.…

Idoso de 92 anos foi a 131ª vítima da Covid-19 em Guanambi

Guanambi registou o 131º óbito por complicações da Covid-19, neste domingo (23). A vitima é…

Barragens de Ceraíma e Poço do Magro continuam sangrando após mais de duas semanas

Deve voltar a chover em boa parte da Bahia nos próximos dias de acordo com…

Mulher foi denunciada após agredir filho de 12 anos em Vitória da Conquista

Uma mãe foi denunciada por maus-tratos após bater em filho de 12 anos em Vitória…