Policial

OAB-BA não tem posicionamento oficial sobre a vaquejada: ‘Temos que aguardar o Conselho’

Publicado por
Tiago Marques
Compartilhado

A audiência pública sobre a prática das vaquejadas realizada nesta segunda-feira (31) foi bastante dividida. Inundada de aplausos e vaias, os temperamentos ficaram à flor da pele na sede da Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil. Os temas que mais causaram alvoroço foram os relacionados à questão cultural da vaquejada, a possível crueldade com os animais e a questão econômica. Com diversos painéis com palestras de promotores de Justiça, professores, veterinários, deputados, advogados, vereadores, a audiência pública foi gravada e será encaminhada para o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (CFOAB).

De acordo com o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional da Bahia (OAB-BA), Luiz Viana, a OAB-BA não tem um posicionamento oficial sobre o assunto. “O posicionamento da OAB-BA será o da Nacional. Em questões nacionais, a gente espera a colocação do Conselho”, afirmou. Viana adicionou, ainda, que a gravação da audiência será encaminhada para o Conselho. “Nós esperamos que o presidente Cláudio Lamachia utilize o material quando houver uma audiência e se ele pedir o nosso posicionamento, nós realizamos um conselho e enviamos”, explicou. O Conselheiro da OAB, Fabrício Castro, afirmou que o CFOAB também não tem um posicionamento institucional até agora. “Não temos um ‘sim ou um não'”, explicou. Heron Gordilho, promotor do Meio Ambiente de Salvador, professor responsável pelo Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão em Direito Ambiental e Direito Animal da Universidade Federal da Bahia (UFBA) defendeu que a vaquejada não é cultura. “Cultura é o que é uma manifestação realizada naturalmente pela sociedade. A vaquejada é um ambiente forjado. Os vaqueiros forçam o gado a fugir e o derrubam”, afirmou. O deputado estadual Eduardo Salles (PP) defendeu que a vaquejada fosse realizada com a regulamentação. Salles é autor da Lei Estadual Nº 13.454, de 10 de novembro de 2015, que regulamenta a Vaquejada como prática desportiva e cultural no estado da Bahia e institui medidas de proteção e combate aos maus tratos com os animais. O representante da Seccional de Serrinha, Sabino Neto, afirmou que caso a vaquejada fosse extinta, isso causaria um desemprego de 700 mil pessoas.

por Júlia Vigné – Bahia Noticias

Tiago Marques
Publicado por
Tiago Marques

Notícias recentes

Prefeitura de Salvador contratará cerca de 200 profissionais de saúde nos próximos dias

O prefeito de Salvador, Bruno Reis, anunciou nesta quarta-feira (26), que vai contratar mais 200…

Guanambi começa a vacinar crianças de 11 anos contra Covid-19 nesta quinta-feira

O município de Guanambi irá vacinar as crianças de 11 anos sem comorbidades contra a…

Prefeitura de Guanambi nomeou comissão para realização de concurso público com 100 vagas

O decreto de nomeação da Comissão Especial de Concurso Público para o preenchimento de vagas…

Prazo para regularização do Simples Nacional foi ampliado para 31 de março

Os donos de pequenos negócios que estão com débitos com o Fisco terão mais tempo…

Bamin abre mais de 30 vagas de emprego para Caetité, Jequié, Salvador e Ilhéus

A Bahia Mineração (Bamin) está ofertando 31 vagas de emprego em Caetité, Ilhéus, Jequié e…

Enchente histórica de 1992 em Guanambi completa 30 anos nesta quarta-feira

As chuvas intensas e enchentes assolaram muitos municípios baianos no fim de 2021 e trouxeram…