Início Bahia Morre oitavo irmão de família de ciganos acusados de matar policiais em...

Morre oitavo irmão de família de ciganos acusados de matar policiais em Vitória da Conquista

Reprodução

Na manhã desta sexta-feira (30), um suspeito morreu após confronto com policiais da 34ª CIPM/Brumado e CIPE Sudoeste que estavam em atividade na zona rural de Anagé.

O homem foi identificado como Lindomar Silva, 32 anos. Ele é filho do cigano Rodrigo Silva Matos e irmão de outros sete mortos recentemente.

A família é apontada como autora dos assassinatos de dois policiais militares em José Gonçalves, na zona rural de Vitória da Conquista, no último dia 13.

Segundo a policia, o homem foi socorrido e chegou com vida a unidade de saúde mais próxima, no entanto, não resistiu os ferimentos e morreu. Ainda de acordo a polícia, Lindomar tentava invadir residências, quando foi denunciado por moradores da localidade de Lagoa Grande.

O suspeito estava com um revólver calibre 38, munições e uma faca do tipo peixeira. Além dele, outros três ciganos atacaram com tiros equipes das polícias e com o grupo foi recuperada a pistola do soldado Robson Brito de Matos, roubada após ele ser executado.

Reprodução

Ao todo, dez homens foram acusados de envolvimento da morte dos polícias: um pai – que deu entrada em hospital com ferimentos à bala e já teve a prisão preventiva decretada – e nove filhos. Dois filhos ainda permanecem foragidos e sete já morreram em confronto com a policia.

Um adolescente de 14 anos, foi morto em uma farmácia no centro de Vitória da Conquista, no entanto, a polícia nega envolvimento com o caso.

Na última segunda-feira (26), cinco mulheres e sete crianças de uma família de ciganos de Vitória da Conquista estão sendo acompanhadas pela Defensoria Pública do Estado da Bahia (DPE/BA) e a instituição busca a inserção delas em um programa de proteção a testemunhas.

O motivo são as denúncias de perseguição após o duplo homicídio que vitimou dois policiais. A DPE/BA afirma que a recebeu informações que relataram perseguição por parte de policias militares à comunidade, onde vivem outras famílias de etnia cigana. A demanda foi notificada à Defensoria por meio da Ouvidoria Cidadã. 

Institutos e associações de defesa de etnias ciganas emitiram notas manifestando temor pela perseguição de ciganos inocentes. O assunto também repercutiu nas comunidades de ciganos em outros países da América Latina.

Na semana passada, o secretário nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Paulo Roberto, esteve em Vitória da Conquista se reunindo diretamente com os defensores públicos estaduais José Raimundo e Yana de Araújo, além dos coordenadores do Núcleo de Integração da DPE/BA, Cristina Ulm e Maurício Saporito.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

Sair da versão mobile