Bahia

Delegacia Digital registrou 978 casos de violência doméstica durante um ano

Publicado por
Joana Martins
Compartilhado

Mulheres vítimas de violência doméstica contam desde agosto de 2020 com o auxílio da Delegacia Digital para registrar ocorrências referentes à Lei Maria da Penha. A partir de sua inauguração, 978 casos já foram registrados e encaminhados para as Delegacias Especiais de Atendimento à Mulher e Delegacias Territoriais em todo o território baiano, e posteriormente remetidos à Justiça.

A ferramenta foi criada durante a pandemia da Covid-19, para que as mulheres tivessem mais privacidade e pudessem fazer a denúncia sem sair de casa.

O acesso da mulher vítima de violência é através do link www.delegaciadigital.ssp.ba.gov.br. Dentro do portal, há uma aba específica para casos relacionados à Lei Maria da Penha. A delegada titular da unidade, Célia Miranda, explica quais elementos são fundamentais para registrar:

“É muito importante se ater aos detalhes e aos dados do agressor. Isso é fundamental para que a polícia chegue até ele. É necessário informar o nome completo. Se tiver dados como RG, CPF, endereço ou local onde o suspeito trabalha, tudo isso ajuda na localização”, disse a delegada.

Após o registro, a mulher receberá via email para qual delegacia a ocorrência foi encaminhada. “É importante que a denunciante fique atenta ao telefone e ao email, porque a delegacia entra em contato para informar os novos passos da investigação e, caso tenham mais elementos como fotos e vídeos, possa enviar os arquivos”, explicou.

A delegada titular da Deam de Periperi, Iola Nolasco, explica o trâmite da ocorrência quando encaminhado da Delegacia Digital para a unidade especializada. “Nós verificamos a ocorrência prontamente anotamos os dados e entramos em contato por telefone com a vítima. A partir daí, marcamos para que ela e as testemunhas sejam ouvidas”, explicou.

A delegada relembra um dos casos que chegou da Delegacia Digital e que já foi remetido à Justiça. “Essa vítima vinha sendo ameaçada. Ligamos pra ela e pegamos mais informações dos contatos do agressor e endereço. Nosso Setor de Investigação (SI) foi ao endereço indicado e encontrou o homem”, relatou a delegada.

O agressor foi ouvido, testemunhas foram ouvidas e o inquérito foi concluído e remetido à Justiça. “O trâmite é o mesmo de qualquer delegacia. Denunciar a violência na Delegacia Digital é tão importante quanto na Deam. Agora, se a mulher sofrer lesão corporal, ela deve vir à Deam pegar a guia para realização de exames”, relatou.

Caso a mulher não possa ir até a Deam, a Lei Maria da Penha permite que o relatório médico emitido em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) ou médico particular seja usado como comprovação da lesão corporal.

Fonte: Ascom PC

Joana Martins
Publicado por
Joana Martins

Notícias recentes

Com um gol na competição pelo Atlético, Guanambiense Neto está entre os campeões brasileiros de 2021

O jogador Antônio de Carvalho Filho Neto, natural de Guanambi, está entre os campeões brasileiros…

Eulá segue representando Vitória da Conquista em mais uma fase do The Voice Brasil

A cantora Eulá, representante de Vitória da Conquista no The Voice Brasil, segue representando a…

Vitória da Conquista disponibiliza canal para atualização de dados da vacinação contra a Covid-19

Com o decreto estadual que exige a apresentação do comprovante de vacinação contra a Covid-19…

Prefeitura de Vitória da Conquista lamenta falecimento de professora da rede municipal

Por meio de uma nota no site oficial, a Prefeitura de Vitória da Conquista manifestou…

Duplo homicídio foi registrado em Bom Jesus da Lapa na última terça-feira

Duas pessoas foram mortas na noite da última terça-feira (30), em Bom Jesus da Lapa,…

SineBahia seleciona para 143 vagas de emprego em Salvador, Feira de Santana, Ilhéus e Itabuna

O SineBahia está selecionando para 143 vagas de emprego em cinco município da Bahia nesta…