Bahia

Aneel cria a bandeira “escassez hídrica” e o preço da energia aumenta em 50% na Bahia

Publicado por
Joana Martins
Compartilhado

A Aneel criou uma faixa de cobrança na conta de luz, a bandeira “escassez hídrica”, com valores mais altos em comparação aos praticados na bandeira vermelha 2. A nova cobrança na tarifa de energia elétrica reajustou o preço em 50%, passando de R$ 9,4 por 100 kwh (quilowatt-hora) para R$ 14,2 kwh. De acordo com a Aneel, a nova bandeira valerá até abril de 2022 e o reajuste médio aos consumidores deve ser de 6,78%.

Nos estados da região Nordeste do país, por exemplo, a tarifa média cobrada na energia elétrica, sem a bandeira de escassez hídrica, é de R$ 0,60 por kwh consumido. Na Bahia, a tarifa convencional cobrada é de R$ 0,62 por kwh.

A principal medida usada para frear a alta da inflação é o controle da taxa básica de juros da economia, a Selic, realizado pelo Banco Central. A dinâmica é simples: quando os preços ao consumidor disparam, o BC aumenta a taxa de juros e o dinheiro e o crédito ficam mais caros, a procura por produtos e serviços diminui e, por consequência, força a queda dos valores no comércio. Entretanto, essa “receita” é indicada quando a inflação dispara por forte consumo, ou seja, diferente da realidade atual.

“Quando você dá um ‘remédio’, que seria o aumento da taxa de juros, para uma inflação que não tem origem no consumo, ela tem origem na oferta, você gera desaquecimento da economia. O crédito e os produtos ficam mais caros e você desestimula da economia”, explica Luiz Carlos Ongaratto, especialista em Economia e Administração.

No entanto, o “remédio” tem contraindicações perversas sobre a produção industrial e na capacidade de o setor produtivo realizar investimentos, já que a Selic também influencia nos valores dos créditos, desvaloriza a moeda brasileira e contribui para a falta de insumos e matérias-primas nas indústrias. O combo da política de contenção da inflação desestimula a atividade econômica.

“Automaticamente, quando você dá um ‘remédio’, que seria o aumento da taxa de juros, para inflação que não tem origem no consumo, você vai gerar desaquecimento da economia. O crédito fica mais caro, os produtos ficam mais caros”, lembrou Daniel Almeida, deputado federal do PC do B/BA.

Este ano, a Selic teve quatro reajustes e já acumula alta de 3,25% a.a., saindo de 2% a.a., em janeiro, para 5,25% a.a., em agosto. O BC manteve o reajuste em 0,75% nos três primeiros movimentos do ano, em março, maio e junho, mas elevou a taxa em 1%, este mês.

Fonte: Brasil 61

Joana Martins
Publicado por
Joana Martins

Notícias recentes

Feto humano foi encontrado em área do Ceasa de Vitória da Conquista

Policias da 77ª Companhia Independente de Polícia Militar (77ª CIPM) de Vitória da Conquista foram…

Sistema de emissão de notas fiscais de Vitória da Conquista será substituído em janeiro

O atual sistema de emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NFE), utilizado pela Prefeitura de Vitória…

Neojiba de Vitória da Conquista promove Encontro de Orquestras 2021

Com o objetivo de difundir e valorizar a música de concerto no sudoeste da Bahia,…

Secretaria de Saúde de Vitória da Conquista vai convocar 3.915 vacinados com Janssen para dose adicional da Pfizer

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informa que após a reunião da Comissão Intergestora Bipartite…

Novo crédito do Bolsa Presença será disponibilizado para famílias dos estudantes nesta sexta-feira

O novo crédito do Programa Bolsa Presença, que destina R$ 150, por mês, para as…

Parte da torre da Igreja Matriz de Espinosa desabou após temporal

A chuva intensa da madrugada desta quarta-feira (8) atingiu a cidade de Espinosa, no Norte…