Reprodução - Amazonia.org
Anúncio

O Ministério do Meio Ambiente lançou nessa quarta-feira (6), em Brasília, o Plano Nacional de Fortalecimento das Comunidades Extrativistas e Ribeirinhas (Planafe).

 O plano prevê ações como a regularizarão fundiária e a inclusão produtiva de povos e comunidades tradicionais que têm no extrativismo, muitas vezes, a base do seu sustento. É o caso de seringueiros, castanheiros, quebradeiras de coco babaçu e pescadores artesanais.

No Planafe, também estão previstos projetos de infraestrutura nas comunidades e de integração das políticas públicas do governo federal para o setor. A secretária de extrativismo do Ministério do Meio Ambiente, Juliana Simões, afirma que as políticas devem receber verbas do orçamento do governo federal nos próximos dois anos.

O plano é uma reivindicação histórica dos extrativistas e ribeirinhos. Morador de um assentamento em Mazagão, no Amapá, Joaquim Belo, presidente do Conselho Nacional das Populações Extrativistas, ressaltou que energia e água tratada estão entre as prioridades das comunidades.

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, o Planafe alcança um público de mais de 200 mil famílias, inclusive, indígenas. Mais da metade delas vive em assentamentos da reforma agrária.

Renata Martins da Rádio Agência Nacional

Anúncio

Deixe uma resposta