Daniel Almeida - Projeto Criança Feliz

A solidariedade mora onde existe boa vontade. Foi no povoado de Juazeiro, a 50 km de Caetité, distrito de Maniaçu, onde a funcionária pública Zilma Neves decidiu que poderia contribuir para trazer um pouco de amor e alegria a crianças carentes do povoado onde mora.

Daniel Almeida – Projeto Criança Feliz

Uma festa realizada no dia das crianças no ano de 2010, organizada por Zilma, foi o pontapé inicial para que o que começou como um evento se tornasse um projeto: “A partir daí surgiram alguns convites para que eu realizasse esta mesma festa em outras comunidades, devido à excelente repercussão positiva por conta do evento que foi bem elaborado e tanto os pais quanto as crianças saíram satisfeitas desta festinha” conta Zilma. Foi daí que surgiu o projeto Criança Feliz, hoje com sete anos. O Projeto Criança Feliz realiza além da festa, que contempla comunidades com baixo poder aquisitivo e crianças em situação de vulnerabilidade social, como remanescentes quilombolas, indígenas entre outros, com distribuição de brinquedos, brincadeiras com palhaço, pinturas no rosto, músicas e oração, que Zilma chama de momento com Deus: “Nós não pregamos uma religião. Nós damos as mãos e fazemos uma oração de agradecimento a Deus pelo evento”, destaca a fundadora. 36 voluntários fazem parte do projeto. A organização estima que cerca de 500 crianças são atendidas a cada evento. Joseane Fernandes, voluntária no grupo há três anos, é uma delas. Josy, como é mais conhecida, conta uma história que emociona:. “Certa vez fomos até uma comunidade remanescente quilombola carente e levamos entre outras coisas um bolo que estava decorado. Eles (as crianças) adoram bolo. Uma das crianças perguntou a chefe da cozinha do projeto: ‘O que é aquilo que tá no bolo, tia?’ Neste momento a chefe da cozinha chorou, pois o que havia em cima do bolo era um cacho de uvas e a criança não conhecia o que era uva”. Josy conta que os pais também  são incluídos nas atividades realizadas pelo projeto. “Procuramos envolver também os pais nas brincadeiras, pois sentimos que não poderíamos deixá-los de fora. Eles querem e precisam se divertir”, conta.

Daniel Santana  – Projeto Criança Feliz

A iniciativa conta com a ajuda de empresários voluntários da região: “Por menor que seja o evento, há a questão financeira que temos que vencer. Quando vamos para o comércio solicitar apoio ao projeto, nós não pedimos dinheiro. Geralmente pedimos o auxílio em material, ou se o comerciante quiser nos ajudar, ele pode ir diretamente a quem nos presta o serviço e pagar por ele”, explica Zilma. Escolas particulares de Caetité também fazem campanhas de arrecadação de brinquedos para serem doados às crianças do projeto.

A agenda já está lotada para o mês de outubro, quando se comemora o mês da criança, onde o Projeto passará por diversas comunidades rurais, não só de Caetité, mas também em Guanambi.

Daniel Santana – Projeto Criança Feliz

“O que nos move é o amor por eles (…). E quando vamos às comunidades rurais, a realidade é diferente. Lá existe muita dificuldade e as crianças têm necessidade de tudo. O que proporcionamos a elas é um pouco de alegria em meio a tanta amargura e dificuldade. Só de vê-los com um brilho nos olhos e um sorriso no rosto, todo cansaço, angústia e medos vão embora naquele momento. É isso que nos move”, Zilma

Qualquer pessoa também pode colaborar com o sorriso de uma criança. Quem quiser ajudar pode entrar em contato com a fundadora Zilma Neves, pelo telefone (77) 9 9945-7874 ou obter mais informações na página do Projeto Criança Feliz no Facebook.

Colaborou: Indhira Almeida

Responder

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui