Foto: Cortesia/Israel Antiquities Authority

Redação da Agência

Foi encontrado por Arqueólogos israelenses nas “minas do rei Salomão”, o esqueleto de uma mulher grávida. O achado deixou os pesquisadores surpresos devido à localização incomum, segundo informações do jornal The Jerusalem Post.

De acordo com notícias ao minuto, pesquisadores estão realizando escovações no Vale Timna, no Sul de Israel. Conta a lenda que justamente no local das escavações estavam situadas as minas de diamantes do rei Salomão. No século XIX, centenas de aventureiros partiram rumo à região em busca das pedras preciosas; muitos morreram. Revelou-se que, na verdade, as “minas de diamantes” eram minas de cobre do Antigo Egito.

“É muito difícil encontrar restos humanos em Timna. Foi a primeira vez que encontramos uma mulher”, compartilhou o arqueólogo Erez Ben Yosef. “Não há fontes de água por isso ninguém habitou essa região por muito tempo. Pessoas realizavam para extrair cobre, o que acontecia geralmente durante o inverno”, acrescentou ele.

Antes de achar o esqueleto da mulher, arqueólogos chegaram a encontrar sarcófagos completamente vazios. Bem Yosef acredita que, devido ao clima desagradável, “pessoas eram sepultadas temporariamente na região, depois outra expedição levava os ossos para casa”. Contudo, no caso da mulher grávida, isso não aconteceu, o que surpreendeu muito os cientistas.

Se você gosta do conteúdo da Agência Sertão, colabore para o aprimoramento do nosso Jornalismo a partir de R$ 10 por mês e seja um assinante - Saiba como!

 

A mulher encontrada não tinha a parte de cima do esqueleto. Mas a parte inferior, incluindo restos do embrião, que de acordo com especialistas, se encontrava no primeiro trimestre, estava intacta. Os pesquisadores acreditam que a mulher teria morrido aos 20 anos de idade, contudo, a ausência de colágeno em seus ossos impossibilita realização de uma datação por radiocarbono mais precisa.

A única pista que a mulher deixou para que os arqueólogos descobrissem alguma coisa de sua personalidade se trata de duas miçangas de vidro bem preservadas no túmulo. De acordo com uma especialista em egiptologia, Deborah Sweeney, miçangas serviam como amuleto, ligado à deusa egípcia Hator – a protetora dos mineiros. Em sua homenagem, perto das minas foi construído um templo.

Responder

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui