Reprodução
Anúncio

Policiais civis e representantes do Ministério Público (MP) do Rio de Janeiro cumpriram hoje (6) dois mandados de prisão contra acusados de desviar recursos da saúde pública municipal. Simone Amaral da Silva Cruz e Luiz Eduardo Cruz foram denunciados por integrarem organização criminosa envolvida num esquema de desvio de verbas de contratos firmados entre o Município do Rio e a Fundação Bio-Rio.

Segundo o Ministério Público, o total dos desvios ultrapassou R$ 6 milhões ao longo de dois anos. Ao todo, dez pessoas foram denunciadas à Justiça, por participação no esquema. No dia 28 de maio, o MP e a Polícia Civil já tinham cumprido 27 mandados de busca e apreensão.

No pedido de prisão preventiva, acolhido pela 41ª Vara Criminal, o Ministério Público sustenta que os denunciados, usaram de meios que demonstram a pretensão de ocultação e destruição de provas.

O esquema

Os contratos entre a prefeitura e a Fundação Bio-Rio, no valor de R$ 188,7 milhões, foram firmados de 2014 a 2015 e previam que a entidade ficaria encarregada de programas de capacitação de médicos em unidades hospitalares, sem qualquer lucro para a fundação.

De acordo com as investigações, o dinheiro era depositado em contas da fundação. Em seguida, os valores eram transferidos para contas específicas de cada convênio, como determinavam os contratos.

Se você gosta do conteúdo da Agência Sertão, colabore para o aprimoramento do nosso Jornalismo a partir de R$ 10 por mês e seja um assinante - Saiba como!

 

Cerca de R$ 6 milhões acabaram sendo transferidos novamente para uma conta da Bio-Rio, para custeio da própria fundação. As verbas, segundo o MP, deveriam ter sido empregadas no convênio com o município, em vez de servirem de custeio para a entidade.

Entre os acusados, a fraude aos cofres públicos tinha o real nome de “taxa de administração”. Segundo o MP fluminense, não havia no contrato nada referente a “taxas de administração” e os denunciados tentaram maquiar as movimentações financeiras ilegais com prestações de contas mensais dos convênios, despesas administrativas da sede da Fundação Bio-Rio e gastos sem comprovação idônea.

Fonte: Vitor Abdala – Repórter da Agência Brasil

Responder

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui