windy.com

Centro de Hidrografia da Marinha (CHM) da Marinha do Brasil e o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC/INPE), emitiram nota à imprensa informando sobre a possível formação de ciclone com características tropicais, a partir do dia 23, até o início da próxima semana, dia 26, sobre o Oceano Atlântico, a Leste dos estados da Bahia e do Espírito Santo.

O CHM informou que a condição de tempo severo provocada por esse sistema ocorrerá principalmente em alto-mar, associada à chuva intensa, com volumes significativos e ventos intensos, com rajadas. Porém, não se descarta a condição de intensificação dos ventos na costa do Rio de Janeiro, Espírito Santo e sul da Bahia, podendo chegar a até 89 km/h, além de chuvas entre fraca e moderada.

O órgão informou ainda que a Marinha do Brasil mantém todos os avisos de mau tempo em vigor no endereço eletrônico e que continuará acompanhando junto ao CPTEC/INPE a atuação desse sistema nos próximos dias.  As informações também poderão ser acessadas pelo aplicativo “Boletim ao Mar”, disponível para dispositivos com sistema operacional Android e IOS,

A Marinha alerta aos navegantes que consultem essas informações antes de se fazerem ao mar e solicita-se ampla divulgação às comunidades de pesca e esporte e recreio.

Segundo o Climatempo, março é um mês de típico de formação de tempestades tropicais e subtropicais na costa brasileira por ser o fim do verão, quando a água do mar do Atlântico Sul na costa do Brasil está mais quente. No verão de 2019, este aquecimento acima do normal foi um fator determinante para os diversos eventos de chuva extrema que tivemos no litoral de São Paulo e no centro-sul do Rio de Janeiro.

Se você gosta do conteúdo da Agência Sertão, colabore para o aprimoramento do nosso Jornalismo a partir de R$ 10 por mês e seja um assinante - Saiba como!

 

Estas mudanças nas simulações atmosféricas, feitas por supercomputadores, ocorrem diariamente, em muitas outras regiões e em diferentes situações meteorológicas. Por isso também os meteorologistas precisam ter muita cautela ao analisarem estas simulações. É preciso ficar atento para a consistência de um dia para outro.

Veja a nota da Marinha do Brasil

Responder

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui