Reprodução/ Ilustração

Joana Martins | Agência Sertão

Na noite desta quarta-feira (11), uma gestante de trigêmeos, com uma gravidez considerada de alto risco, denunciou em uma rede social que um médico platonista do Hospital Municipal de Malhada não quis atende-lá porque não entendeu a situação como  uma emergência.

A gestante esta no sétimo mês de gestação e de acordo com o relato, possui um abcesso na perna e estava sentido muita dor no momento que procurou por atendimento médico.  “Estou com um abcesso enorme na perna e já estava em uso de medicação para dor e como não melhorava me desloquei até o hospital, local que não fui bem atendida pelo médico” afirmou ela no post.

Colabore

Se você gosta do conteúdo da Agência Sertão, colabore para o aprimoramento do nosso Jornalismo a partir de R$ 10 por mês e ganhe recompensas exclusivas, saiba mais!

A paciente não quis ser identifica, ela é moradora do município e é funcionária da mesma unidade de saúde, encontra-se afastada por conta da gravidez. A Agência Sertão entrou em contato com a paciente,  a qual afirmou que com todo transtorno fez com que a situação se agravasse e ela precisou buscar atendimento em outra cidade. “Fiquei muito nervosa e comecei a sentir outros sintomas consequente do nervoso,  liguei para o secretário de saúde da cidade de Carinhanha e ele conseguiu um atendimento com o médico platonista da Unidade de Saúde do município’, afirmou.  No momento, ela afirmou que passa bem- “fizeram uma drenagem  no abcesso e  tomei outro medicamento mais forte”.

Com o post da gestante, vários moradores ficaram indignados com a situação e outros relataram situações semelhantes com o mesmo médico. “Esse cavalo tem que sair daqui, Malhada não merece um bicho desse. Passei por ele em meu parto e não tenho nada de bom a falar dele”, afirmou uma internauta. Em seguida outra disse que passou uma situação parecida quando acompanhava um filho com infecção urinária. – “Eu sei minha amiga, aquilo ali é um cavalo mesmo. Ele maltratou minha mãe no meio da gente… Eu estava com meu filho internado com ‘infequição’ urinária (sic)”.

A Agência Sertão não conseguiu falar com secretário de saúde do município de Malhada, mas conversou por ligação telefônica com diretor do hospital, o qual recursou comentar sobre o caso.

Deixe uma resposta