Reprodução / Prefeitura de Guanambi

Desde a última terça-feira (30), o Aeroporto Municipal Isaac Moura Rocha está liberado para pousos e decolagens de aeronaves particulares. A obra de reforço da pista e sinalização foi concluída na última segunda-feira (29). O local estava com operações suspensas desde setembro de 2018, quando foi fechado para reforço da pista. As obras estavam previstas para serem concluídas em janeiro, no entanto houve contratempos que ocasionaram em atrasos na execução dos serviços.

A operação está restrita a voos diurnos, entre 6h e 17h45. O sistema de luzes de balizamento ainda se encontra em manutenção e os voos noturnos só serão autorizados após a conclusão deste serviço.

Para reforçar a pista e torná-la apta para receber aeronaves grandes, como a do modelo ATR-72, usado pela Azul em voos regionais, o Governo do Estado investiu o valor de R$ 6.040.114,92 na contratação da empresa que realizou a nova pavimentação do local.

A tão sonhada linha aérea comercial ainda não tem previsão para começar. Para receber voos domésticos, o caminho ainda é longo. O aeroporto precisa estar equipado de mobília e equipamentos como raio-x, sistema de comunicação, entre outros. A prefeitura já está providenciamento todos os equipamentos necessários. Depois, o Governo do Estado, responsável pelo aeroporto, precisa solicitar às autoridades aeronáuticas uma nova homologação para requalificação da classificação da pista.

Após vistoria e aprovação, as empresas interessadas na operação deverão solicitar à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a autorização para os voos. Este processo ainda deve durar alguns meses. Os mais otimistas, como o prefeito Jairo Magalhães, acreditam que em agosto, mês do centenário de Guanambi, tudo já estará pronto e o voo inaugural.

Se você gosta do conteúdo da Agência Sertão, colabore para o aprimoramento do nosso Jornalismo a partir de R$ 10 por mês e seja um assinante - Saiba como!

 

A Azul Linhas Aéreas incluiu Guanambi em seu plano de expansão e interiorização. A empresa deve operar inicialmente uma linha com destino a Belo Horizonte, podendo fornecer também uma linha para Salvador. Outra empresa, a Passaredo, também manifestou interesse em operar no mesmo aeroporto. A empresa pode dividir a operação com a Azul, ofertando a linha para Salvador, ou pode implantar uma linha direta para o aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP).

Responder

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui