Reprodução

O governo bloqueou 44% do orçamento das Forças Armadas, o equivalente a quase R$ 6 bilhões. O assunto foi discutido na reunião conjunta dessa terça-feira (7) do Alto Comando das Forças Armadas. Os chefes militares justificaram o contingenciamento como necessário para cumprir exigência da Lei de Responsabilidade Fiscal.  De acordo com a pasta, como se trata de bloqueio temporário, as atividades cotidianas do Ministério da Defesa não serão comprometidas e nem haverá cortes ou atrasos de projetos.

O Ministério da Defesa espera que o desbloqueio ocorra ainda ao longo deste ano, com a melhora do cenário econômico brasileiro, como informou o porta-voz da presidência, Rego Barros, em coletiva de imprensa no Palácio do Planalto.

Ainda nesta terça, o porta-voz do Palácio do Planalto, Rego Barros destacou a recriação dos Ministérios da Integração Nacional e das Cidades.

Colabore

Se você gosta do conteúdo da Agência Sertão, colabore para o aprimoramento do nosso Jornalismo a partir de R$ 10 por mês e ganhe recompensas exclusivas, saiba mais!

De acordo com porta voz, caso o Congresso aprove a autonomia do Banco Central, este perderá o seus o status ministerial, de forma que se manterá a estrutura inicial com 22 ministérios.

Também nesta terça, o presidente Jair Bolsonaro disse que conversou com os presidente da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, e que houve convergência sobre a recriação do ministério. Sobre os outros pontos, Bolsonaro disse que o governo vai defender que o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) permaneça dentro do Ministério da Justiça, conforme está no Decreto enviado ao Congresso Nacional.

O Coaf  que era vinculado ao Ministério da Economia, foi transferido para a pasta da Justiça. O órgão tem como principal função identificar possíveis práticas relacionadas à lavagem de dinheiro, corrupção e transações financeiras suspeitas.

A MP da reestruturação do governo deve ser votada na comissão especial mista do Congresso Nacional ainda esta semana e depois seguirá para os plenários da Câmara e do Senado. Ela tem que ser votada e aprovada até o dia 3 de junho, quando perde a validade.

*Informações da EBC

Deixe uma resposta