Reprodução

Dois ex-prefeitos de Guanambi se pronunciaram sobre a construção da barragem de rejeitos da mina Pedra de Ferro, da Bahia Mineração (Bamin). As falas aconteceram nesta terça-feira (4), antevéspera da manifestação contrária à construção do depósito de rejeito que deve armazenar 180 milhões de metros cúbicos em 30 anos de exploração.

Em um vídeo publicado por correligionários, Nilo Coelho se disse preocupado com possíveis riscos futuros. “Produzir riqueza é muito importante, mas mais importante ainda é preservar a vida de nossa gente. Estou muito preocupado, preocupadíssimo com essa história da construção da Barragem da Bamin”, disse ao lembrar das tragédias em Mariana e Brumadinho, e da tensão que vive os moradores de Barão de Cocais. Ele também disse que é preciso cobrar mais explicações e que não se pode arriscar com a vida das pessoas.

 

Charles Fernandes (PSD-BA) usou a tribuna da Câmara dos Deputados durante a votação medida provisória que permite o pagamento, por um ano, de uma ajuda financeira emergencial correspondente ao valor do salário mínimo (R$ 998) a famílias de baixa renda atingidas pelo rompimento da barragem em Brumadinho (MG).

Ele lembrou da manifestação marcada para esta quinta-feira (6), e disse que a Bamin precisa repensar os modelos de barragem. “Amanhã na minha cidade, em Guanambi, haverá uma grande manifestação com relação à construção de uma grande barragem que está se pretendendo construir… ela é, simplesmente, 12 vezes maior do que a barragem de Brumadinho. A Bahia Mineração está querendo construir essa barragem, que tem capacidade para 180 milhões de metros cúbicos de rejeito. E um pouco abaixo dessa barragem, está a barragem de Ceraíma, com 58 milhões de metros cúbicos de água. No entanto, a Bamin tem que repensar os modelos novos de construção para essa barragem em Guanambi”, disse.

Se você gosta do conteúdo da Agência Sertão, colabore para o aprimoramento do nosso Jornalismo a partir de R$ 10 por mês e seja um assinante - Saiba como!

 

A deputada Ivana Bastos se pronunciou na última sexta-feira (31), em entrevista concedida no município de Iuiú. Ela disse confiar nos critérios de licenciamento do Estado da Bahia e na responsabilidade da Bamin. Ivana ponderou a favor do projeto, dizendo que é preciso debater com responsabilidade. “Ninguém quer conversar, só gritar, essa é a sensação que eu tive naquela audiência”, disse se referindo ao debate realizado na Câmara Municipal.

O prefeito Jairo Magalhães se pronunciou no final de janeiro. Ele disse à época que iria pedir a revisão dos protocolos de avaliação dos riscos nas barragens que cercam a cidade, além da revisão das licenças ambientais que foram concedidas para a construção da barragem da Bamin. Depois disso, o Inema renovou as licenças da Bamin após a empresa apresentar um novo projeto, mudando o barreamento de a montante para a jusante.

A manifestação marcada para esta quinta-feira foi convocada pelo movimento “Vida sim, barragem não”, organização popular, sem vínculos partidários e ideológicos. A concentração será as 7h30, na praça da Igreja Matriz. Os manifestantes sairão em caminhada com destino ao escritório local do Instituto Estadual de Meio Ambiente (Inema).

Na semana passada, representantes da Bamin apresentaram o projeto da barragem em sessão da Câmara dos Vereadores. Eles garantiram que a barragem será segura e sustentável.

Responder

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui