serviços de infraestrutura

O município de Guanambi ficou em primeiro lugar no Índice CFA de Governança Municipal – IGM-CFA entre os municípios baianos com população entre 50 mil e 100 mil habitantes e Produto Interno Bruto (Pib) per capita de até R$ 20.400,00.

O levantamento foi feito pelo Conselho Federal de Administração (CFA) e contou com o auxílio técnico do Instituto Publix para o Desenvolvimento da Gestão Pública.

O IGM-CFA consiste em uma métrica da governança pública nos municípios brasileiros a partir de três dimensões: Finanças, Gestão e Desempenho. Na médias destas dimensões, o município de Guanambi recebeu nota 7,51.

No quesito finanças a nota foi 6,08, enquanto que o gestão 8,72 e em desenvolvimento 7,72. Entre os 145 municípios pertencentes ao grupo em todo o país, Guanambi ficou na 12º posição.

A divisão do ranking foi feita por grupos, baseados na faixa de população e no Pib per capita dos municípios. A nota de Guanambi foi a segunda maior do Estado considerando todos os grupos, ficando atrás apenas de São Feliz do Coribe, município classificado no grupo de até 20 mil habitantes com Pib per capita de R$ 15.028,00, que obteve nota 7,71.

Se você gosta do conteúdo da Agência Sertão, colabore para o aprimoramento do nosso Jornalismo a partir de R$ 10 por mês e seja um assinante - Saiba como!

 

Em nota publicada no site da prefeitura, o prefeito Jairo Magalhães comemorou o resultado. “Esta classificação aferida por um órgão independente e importante nos enche de alegria, o que divido com toda nossa equipe, mostrando que estamos honrando os compromissos de trabalhar em todos os segmentos, fazendo Guanambi avançar e construir um futuro ainda melhor para todos”.

Dez municípios melhores classificados na Bahia no Grupo 5 – entre 50 mil e 100 mil habitantes e Pib per capita menor que R$ 20.400,00

No mesmo grupo de Guanambi, os municípios de Bom Jesus da Lapa e Brumado apareceram no segundo e terceiro lugar respectivamente, com notas 7,37 e 7,35. Caetité ficou na 13º posição, com 5,92.

A construção do Índice IGP-CFA considerou áreas como saúde, educação, gestão fiscal, habitação, recursos humanos, transparência, violência dentre outras.

Dados extraídos de bases públicas como STN, IBGE, PNUD e DATASUS foram usados para elaboração do índice.  Segundo o CFA, foi realizada a priorização de indicadores e variáveis e, em seguida, por meio de tratamento estatístico, foi gerado um resultado para cada dimensão e para o Índice.

O IGP será atualizado anualmente, de acordo com a atualização das informações nas bases de dados consultadas.

O relatório do IGP-CFA pode ser acessado no link.

Responder

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui