Foto: Edu Vale / Agência Sertão

Uma escola que foi inaugurada há 4 anos em Caetité está interditada após vários problemas na estrutura do prédio. A construção foi entregue no dia 7 de março de 2015, à época o gestor era o ex-prefeito José Barreira. Em outubro de 2018, foi desocupada por risco de desabamento.

A Unidade de Educação Infantil Daisy Franca Barreira De Alencar, foi construída por meio de incentivo do Governo Federal com o Projeto Proinfância Tipo 2, modelo de projeto padrão de educação infantil.

A escola tem capacidade para atender até 188 crianças, em dois turnos (matutino e vespertino), ou 94 crianças em período integral. Em Caetité, de acordo com o Censo da Educação Básica de 2018, 185 alunos estavam matriculados na unidade.

A Agência Sertão entrou em contato com a secretária de educação do município Iamara Junqueira e até o momento não obteve resposta aos questionamentos. Já em contato com a vice-diretora da unidade de educação, Helenalva Souza, ela confirmou problemas na estrutura da escola e afirmou que os reparos estão sendo feitos. “Estão sendo realizados reparos para voltarmos ao local, só que antes, os professores e funcionários querem uma garantia de segurança para retornamos. No momento, as atividades não foram comprometidas, pois elas acontecem em outro local que possuem salas”, explica a vice-diretora.

Atualmente, segundo a vice-diretora, a Unidade de Educação Infantil Daisy Franca Barreira de Alencar funciona em um prédio vizinho, no Grupo Escolar Manoel Teixeira Lopes, onde funcionava anteriormente o Centro de Referência de Assistência Social (Cras).

Se você gosta do conteúdo da Agência Sertão, colabore para o aprimoramento do nosso Jornalismo a partir de R$ 10 por mês e seja um assinante - Saiba como!

 

A vice diretora afirmou que o prédio provisório atende todos os requisitos necessários para funcionar, entretanto, existe a falta de refeitório no local e por isso os alimentos são servidos na sala. No local, a Agência Sertão observou que os alimentos são feitos no espaço comprometido e que os profissionais carregam os alimentos até o outro prédio. Nenhum profissional quis comentar sobre o assunto.

De acordo com a mãe de um aluno, a Unidade de Educação já passou por outras reformas e novas rachaduras surgiram – “Não é a primeira reforma que acontece no local, isso nos preocupa”.

A Diretoria de Comunicação da Prefeitura não soube dar detalhes do problema. No entanto, ressaltou que a escola foi construída com materiais de primeira qualidade, mas a  acomodação da estrutura se deu em um terreno desnivelado. A prefeitura pretende retornar as atividades na escola neste semestre.

*Matéria atualizada às 20h59 do dia 10 de agosto de 2019, para atualizar informações. 

Responder

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui