Reprodução

O secretário de Segurança Pública do Estado, Maurício Barbosa, afirmou que a Polícia Civil investiga o suposto atentado denunciado pelo deputado estadual Soldado Prisco (PSC), líder do movimento paredista.

“Estamos com toda a Polícia Civil empenhada nisso, com nossos melhores delegados, peritos e equipes, fazendo toda a investigação dessa situação, e esperamos que as vítimas, o mais breve possível, contribuam com a polícia, porque até agora não conseguimos ouvir essas pessoas que se dizem vítimas”, disse.

Em vídeo publicado nesta madrugada, policias ligados a Aspra denunciaram que o deputado foi vítima de um atentado. O carro usado pelo deputado foi atingido por disparos de arma de grosso calibre, dois policias que o acompanha teriam sido feridos pelos estilhaços dos projéteis.

Reprodução

A afirmação foi dada nesta quarta-feira (16), em entrevista coletiva. Barbosa disse ainda que há indícios de que policiais ligados à Associação dos Policiais e Bombeiros Militares e seus Familiares (Aspra) tenham se envolvido nos ataques que ocorreram após o primeiro anúncio de greve, na última semana.

“Nós temos visto ao longo desses últimos 15 dias uma série de ações, a começar pela incitação, provocada pela Aspra, de uma assembleia em que se dizia que a PM estava em greve, estava parada, e nós assistimos nos dias posteriores que a PM não aderiu em nenhum momento. (…) São coisas que nós assistimos todos os dias, através de mensagens de áudio e de vídeo, e a partir de então vimos uma série de atentados contra agencias bancárias, vandalismos em ônibus e ameaças em redes sociais, o que levou criminosos a pensarem que a polícia estava parada. (…) Temos indícios de participação de pessoas ligadas à Aspra, seja pela sua filiação ou na própria defesa, como no caso do policial que foi baleado por agentes da Operação Gêmeos em Itacaranha”, afirmou.

Se você gosta do conteúdo da Agência Sertão, colabore para o aprimoramento do nosso Jornalismo a partir de R$ 10 por mês e seja um assinante - Saiba como!

 

Ainda segundo Barbosa, a SSP-BA tem trabalhado para identificar os envolvidos e encaminhado relatórios ao Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) e ao Ministério Público Federal (MPF), a fim de viabilizar medidas como a operação deflagrada hoje.

Pela manhã, as sedes da Associação dos Policiais e Bombeiros Militares e seus Familiares (Aspra), que ficam na capital e no interior do estado, foram interditadas.

Segundo informações da Secretaria da Segurança Pública (SSP), a interdição é fruto de uma decisão judicial. A associação lidera o movimento de policiais que decretaram greve no último dia 8.

Responder

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui