Peixes mortos apareceram depois de chuvas intensas que carrearam o rejeito de minério depositado na Barragem de Candonga para o leito do Rio Doce

As fortes chuvas que caíram em Minas Gerais nas últimas semanas elevaram bastante o nível dos rios Doce e Paraopeba e reviraram os rejeitos de minério que vazaram das barragens rompidas de Mariana, em 2015 e de Brumadinho, em 2019.

A situação mais grave ocorre no rio Doce, onde estão depositados cerca de 10 milhões de metros cúbicos dos rejeitos da barragem de Fundão. A maior parte deste material ficou depositada na barragem de Candonga, reservatório da Usina Hidroelétrica Risoleta Neves, nos municípios de Santa Cruz do Escalvado e Rio Doce.

O rio Doce subiu muito em Governador Valadares e a água invadiu diversos bairros, afetando mais de 50 mil pessoas e deixando cerca de 15 mil desalojadas. Segundo reportagem do Jornal Estado de Minas, depois que a água começou a baixar, todo o resíduo revirado do leito do rio ficou depositado nos terrenos e ruas atingidos pela cheio.

André Merlo, prefeito da cidade, disse que a prefeitura irá processar a Samarco, empresa responsável pela barragem. “O crime continua. Essa lama, que nunca foi tanta e dessa consistência, é o que permanece no rio depois de anos. Vamos portanto, pleitear sim, na justiça, reparação para a cidade, e principalmente para o povo que sofre as consequências”, disse

Ainda segundo o jornal, a suspeita de vários órgãos é de que o rejeito tenha vindo da barragem de Candonga, de onde deveria ter sido dragado desde 2018. Desde o rompimento da barragem de Fundão, está foi a primeira vez que o rio Doce transbordou devido às chuvas.

Por causa dos rejeitos, o Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG) determinou que a Fundação Renova, responsável pela recuperação do Rio Doce, forneça informações, com urgência, sobre a situação e também sobre o plano emergencial para período chuvoso.

No rio Paraopeba, afluente do São Francisco, membros do MP-MG visitaram às estruturas de contenção de rejeitos instaladas no rio Paraopeba. Segundo o órgão, as medidas adotadas pela Vale, responsável pela barragem rompida em Brumadinho, têm se mostrado importantes para a contenção dos rejeitos, embora ainda haja uma parcela carregada rio abaixo.

Considerando as preocupações apresentadas pelas comunidades em razão das fortes chuvas, o MP-MG solicitou informações sobre protocolos a serem adotados para a proteção da saúde humana e dos animais às instituições competentes.

O órgão orientou as comunidades a evitar o contato com as águas do Rio Paraopeba e com materiais trazidos pela enchente. Também foi recomendado que se faça registros fotográficos caso seja notada alterações na água.

Na última quarta-feira (29), a Retiro Baixo Energética S.A, empresa responsável pelo reservatório onde está concentrado boa parte do material que vazou de Brumadinho, emitiu comunicado avisando sobre a necessidade da abertura das comportas devido à cheia do lago.

O rio Paraopeba tem sua foz no rio São Francisco, na altura do reservatório da barragem da usina hidroelétrica de Três Marias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui