Divulgação

O deputado federal e ex-prefeito de Guanambi, Charles Fernandes, publicou uma nota de esclarecimento dizendo que foi um equívoco o seu voto contra a prorrogação do Auxílio Emergencial do governo federal até dezembro. O post foi feito nesta sexta-feira (17) nas redes sociais do deputado baiano.

A nota explica que foi um equívoco de encaminhamento da liderança do partido (PSD) que levou a bancada a votar “não” no projeto de prorrogação. Ressaltou ainda que o PSD e o mandato dele, (Charles Fernandes) como deputado, são favoráveis plenamente à prorrogação e a todas as medidas que venham favorecer aos beneficiários do auxílio.

Nota de Charles Fernandes nas redes sociais

O Plenário brasileiro realizou votação sobre a possível ampliação do auxílio emergencial de R$ 600 até dezembro deste ano. O benefício foi criado pelo governo para auxiliar trabalhadores autônomos, informais, desempregados e microempreendedores individuais (MEIs) durante a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus.

Na quarta-feira (15), os deputados aprovaram o Projeto de Lei 2801/20, que proíbe a Justiça de bloquear o benefício em decorrência de dívidas, com exceção de pensão alimentícia. Nessa votação, o relator, deputado Aureo Ribeiro (Solidariedade-RJ), rejeitou emenda do PT que propunha prorrogar a ajuda de R$ 600 até o fim do ano. Ribeiro considerou a emenda inadequada e recusou o recurso do PT contra a decisão.

No entanto, a derrota não é definitiva, já que o mérito da questão não entrou em debate. “Não aceitaram a emenda, e o que foi votado foi se o recurso podia entrar ou não naquele projeto. Não votamos o mérito”, explica a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

A emenda foi rejeitada pelo Plenário com a maioria dos votos. Ao todo, 309 votaram contra a prorrogação. Outros 123 votaram a favor.

Votação da emenda parlamentar do auxílio emergencial

Recentemente, o governo federal confirmou que o auxílio emergencial de R$ 600 será prorrogado por mais dois meses. Inicialmente, ele seria pago em três parcelas totalizando R$ 1.200, agora, será pago R$ 600 em dois meses.

O governo desistiu de fracionar o pagamento das duas parcelas adicionais do auxílio emergencial nos meses de agosto e setembro como havia previsto o ministro da economia, Paulo Guedes. Os mais de 65 milhões de beneficiários  receberão mais dois pagamentos integrais de R$ 600 conforme calendário divulgado pelo Ministério da Cidadania nesta sexta-feira (17).

De acordo com o calendário publicado nesta sexta, os beneficiários continuarão recebendo os valores primeiro em contas digitais. Os saques em espécie serão definidos conforme um cronograma estabelecido pela Caixa Econômica Federal – evitando aglomerações nas agências. A maioria dos beneficiários só conseguirá sacar o dinheiro de setembro em outubro, mas poderá fazer pagamentos e transferências antes disso por meio da conta digital.

Quem já recebeu as três primeiras parcelas terá o quarto pagamento emergencial de R$ 600 depositado entre os dias 22 de julho (para os nascidos em janeiro) e 26 de agosto (para os nascidos em dezembro). Já o calendário de saques começa em 25 de julho e vai até 17 de setembro.

Já o quinto pagamento de R$ 600 começará a ser depositado em 28 de agosto, em um calendário que vai até 30 de setembro. Os saques da última parcela do auxílio emergencial vão de 19 de setembro a 29 de outubro.

Os beneficiários que só conseguiram acessar o auxílio emergencial mais tarde terão direito às mesmas cinco parcelas, em um calendário estendido que vai até meados de dezembro.

Veja os calendários dos novos pagamentos do auxílio emergencial

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui