29.3 C
Guanambi
23.7 C
Vitória da Conquista

Bamin estuda implantar sistema de filtragem para eliminar barragem de rejeitos na região de Guanambi

9,227FãsCurtir
15,413SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
823InscritosInscrever
Tiago Marqueshttps://agenciasertao.com/
Tiago Marques é redator e editor do site Agência Sertão. Trabalha com produção de conteúdo noticioso para rádio e internet desde 2015.

Últimas Notícias

Mais Lidas

A Bahia Mineração (Bamin) informou, por meio de nota enviada à Agência Sertão, que está estudando a incorporação de um sistema de filtragem de rejeitos com a finalidade de reduzir a umidade do rejeito produzido pela extração de minério de ferro da mina do projeto Pedra de Ferro.

Segundo a empresa, a implantação do sistema pretende aumentar significativamente a recuperação de água, convertendo a barragem de rejeitos em uma unidade de pilha seca. A Bamin informou que o projeto vem sendo estudado nos últimos dois anos e que a conclusão da engenharia básica está prevista para julho deste ano, e será apresentada ao Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) e à Agência Nacional de Mineração (ANM) para análise técnica.

A Bamin informou que, além dos aspectos de segurança das instalações de filtragem de rejeitos, o sistema de filtragem irá permitir maior recuperação de água acima de 90%, o que deve reduzir significativamente o uso do recurso.

O projeto atual da Bamin, aprovado nos órgãos responsáveis, prevê a instalação de uma barragem de rejeitos a jusante, com capacidade para armazenar até 180 milhões e metros cúbicos de lama. A empresa afirma que o coeficiente de estabilidade e segurança do projeto tem o índice de 2,24, acima dos índices exigidos pela legislação brasileira e práticas internacionais que é de 1.5.

O projeto inicial para armazenamento de rejeito da Bamin previa a construção de uma barragem à montante que custaria R$ 90 milhões. Depois das tragédias registradas em Mariana (2015) e Brumadinho (2019) com barragens do tipo, foi apresentado o novo projeto de barragem à jusante, com custo estimado em R$ 200 milhões. Já o novo projeto ainda não teve o orçamento definido pela empresa.

O projeto de construção da barragem de rejeitos encontra muita resistência por parte dos moradores vizinhos ao projeto, em comunidades rurais de Caetité e Pindaí, e da própria população de Guanambi, cidade no caminho da lama em um eventual rompimento no futuro, assim como a barragem de Ceraíma, principal reservatório de armazenamento de água da região. Além do risco de acidentes, também há receio pela diminuição da oferta de água, já que o projeto será instalado sobre o leito do riacho Pedra de Ferro, afluente do rio Carnaíba.

Desde o ano passado, a Bamin iniciou a extração de minério em escala reduzida na mina Pedra de Ferro. O produto está sendo escoado por caminhões até o município de Licínio de Almeida e embarcado em trens da Ferrovia Centro-Atlântica, de onde é distribuído para siderúrgicas do Sudeste do país.

Esta exploração já gera rejeitos secos, que estão sendo colocados em pilhas de estéril, numa área próxima de onde está prevista a construção da barragem. Questionada pela Agência Sertão sobre os riscos de contaminação dos cursos d’água pelos rejeitos, a Bamin disse que o material residual da operação terá aproveitamento futuro e que não há riscos de serem carregados para o leito dos cursos d’água em momentos de chuva, uma vez que possui sistemas de drenagem que margeiam as pilhas.

A Bamin foi a vencedora do leilão realizado na última semana e terá a concessão da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol). A empresa irá comandar por 35 anos o trecho entre Ilhéus e Caetité. As obras estão com certa de 75% de execução e o restante da conclusão será de sua responsabilidade. Serão investidos cerca e R$ 3,3 bilhões no empreendimento, metade para a conclusão das obras. A Bamin também vai construir o Porto-Sul, em Ilhéus, por onde exportará sua produção.

Tanto a mineração, quanto a ferrovia e o porto enfrentam resistência de comunidades tradicionais do traçado e entorno e de ambientalistas. O temor é por problemas ambientais relacionados à fauna e flora e aos impactos nas comunidades próximas ao empreendimento.

Veja a nota da Bamin

Em resposta à sua solicitação, a BAMIN informa que, atualmente, a BAMIN possui um projeto licenciado pelo INEMA que prevê a construção de uma barragem de rejeitos a jusante com coeficiente de estabilidade e segurança de 2,24, bem acima dos índices exigidos pela legislação brasileira e práticas internacionais que é de 1.5.

Buscando garantir a máxima segurança, vem estudando a incorporação de um sistema de filtragem de rejeitos nos últimos dois anos, que reduzirá a umidade do rejeito aumentando significativamente a recuperação de água, convertendo a barragem de rejeitos em uma unidade de pilha seca. Além dos aspectos de segurança das instalações de filtragem de rejeitos, a recuperação de água acima de 90%, reduz significativamente o uso do recurso.

A conclusão da engenharia básica está prevista para julho deste ano e será apresentada ao INEMA e à ANM para análise técnica.

Em relação à produção atual, o processo é totalmente a seco e o material residual da operação terá aproveitamento futuro. Não há riscos de serem carregados para o leito dos cursos d’água em momentos de chuva, uma vez que possui sistemas de drenagem que margeiam as pilhas. A BAMIN ressalta, ainda, que todos os processos da atual operação da mina estão devidamente licenciados pelo órgão responsável.

Comunicação Corporativa da BAMIN

Destaques Bamin estuda implantar sistema de filtragem para eliminar barragem de rejeitos na...

Deixe uma resposta

Relacionadas