21 C
Guanambi
17.5 C
Vitória da Conquista

Fiscalização Preventiva Integrada do rio São Francisco resgatou mais de 230 animais silvestres na Bahia

Mais Lidas

https://materiais.henet.com.br/guanambi

Na primeira semana de atuação da Equipe Fauna Silvestre da 46ª Etapa de Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) do rio São Francisco, 237 animais silvestres foram resgatados na região do município de Paulo Afonso.

Entre os animais resgatados, 70 aves estavam em condições de serem reinseridos na natureza – das espécies cardeal-do-nordeste, golinho, papa-capim, sofrê, tico-tico, canário-da-terra, pássaro-preto, sebinho e sabiá, além de sete animais mamíferos (preás). A soltura foi realizada em locais com condições de sobrevivência das espécies.

De acordo com a coordenação da FPI, os primeiros dias da operação tÊm sido marcados, ainda, por ações educativas, entregas voluntárias e tratamento de animais resgatados.

“Cada animal resgatado ou recebido, ao chegar à base da Fauna, recebe imediatamente hidratação e alimento. Em seguida, os técnicos avaliam individualmente o comportamento, o escore corporal e condições das penas de voo, no caso de aves”, coordenador da equipe, Uequison Venicius.

Quando já estão aptos, os animais são agrupados e encaminhados a soltura imediata em áreas de ocorrência natural.

“Os animais que apresentam alguma alteração (acima ou abaixo do peso, manso, com falta de penas ou ferido), são devidamente atendidos e medicados no Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetras). Quando é necessária alguma intervenção veterinária mais invasiva, a Equipe Fauna contata clínicas e/ou hospitais veterinários na cidade sede da operação”, explica Uequison.

De acordo com o coordenador da equipe Fauna da FPI, além da soltura e retorno ao habitat natural dos animais que encontram-se no Cetras, a equipe continuará sensibilizando as pessoas através de palestras, meios de comunicação, e atuação na repressão ao comércio ilegal e tráfico.

Compõem a FPI Bahia

Integram a FPI diversas equipes formadas por profissionais de instituições públicas e da sociedade civil. A coordenação geral é da promotora de Justiça Luciana Khoury; de Maciel Oliveira, presidente do CBHSF e do representante do Crea/BA, José Augusto Queiroz.

Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (ADAB); Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB); Agência Peixe Vivo; Assessoria e Gestão em Estudos da Natureza, Desenvolvimento Humano e Agroecologia (Agendha); Agência Reguladora de Saneamento Básico do Estado da Bahia (Agersa); ONG Animália; CBHSF; Corpo de Bombeiros Militar (CBM/BA); Companhia Independente de Policiamento Especializado (CIPE-PM); Companhia Independente de Polícia de Proteção Ambiental (Coppa-PM); Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia (CREA/BA); Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV); Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental (Divisa); Fundação Nacional de Saúde (Funasa); Fórum Baiano de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos (FBCA); Conselho Regional dos Técnicos Industriais do Estado da Bahia (CRT); Germen Grupo de Defesa e Promoção Socioambiental (GERMEN); Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama); Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio); Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac); Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA); Marinha do Brasil; MP/BA; MPF/BA; MPT 5ª Região; Ordem dos Advogados do Brasil (OAB); Polícia Civil; Polícia Federal; Polícia Militar; Polícia Rodoviária Federal; Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri); Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz); Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi); Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab); Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre); Sindicato dos Técnicos Industrias da Bahia (SINTEC-BA); Secretaria do Patrimônio da União (SPU); Superintendência de Proteção e Defesa Civil do Estado da Bahia (Sudec); Universidade Federal da Bahia (UFBA); Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Universidade do Estado da Bahia (UNEB).

O Velho Chico

O Rio São Francisco é um dos mais importantes cursos d’água do Brasil e um dos maiores da América do Sul. É um manancial que passa por cinco estados e 505 municípios, tendo sua nascente geográfica localizada na cidade de Medeiros e sua nascente histórica na serra da Canastra, em São Roque de Minas, ambas cidades situadas no centro-oeste de Minas Gerais. Seu percurso passa pelos estados da Bahia, Pernambuco, Sergipe e Alagoas, onde acaba por desaguar no Oceano Atlântico.

O Velho Chico possui área de aproximadamente 641.000km², com 2.863km de extensão. Atualmente suas águas servem para abastecimento e consumo humano, turismo, pesca e navegação.

Ao longo dos anos, vítima da degradação ambiental do homem e da exploração das usinas hidrelétricas, o Rio São Francisco precisa de atenção permanente.

O desmatamento dá lugar às monoculturas e carvoarias que comprometem o próprio São Francisco e seus afluentes, provoca o fenômeno do assoreamento, poluição urbana, industrial, minerária e agrícola. Irrigação e agrotóxicos são outras questões que comprometem o rio. As atividades consomem muita água, muitas vezes furtada, já que a captação geralmente é feita sem a devida outorga por parte da Agência Nacional de Águas (ANA) e órgãos dos estados.

Há ainda os casos das barragens e hidrelétricas que expulsam comunidades inteiras e que impedem os ciclos naturais do rio, provocando o aumento da pobreza. Nessas situações de abusos, quem mais acaba sofrendo é a população ribeirinha. Esses, de fato, são os principais problemas diagnosticados no Velho Chico.

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas Notícias