20.6 C
Guanambi
18.3 C
Vitória da Conquista

Terceira fase da Adutora do Algodão foi concluída e água chegará a Lagoa Real e Ibitira

Mais Lidas

A Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa) informou nesta quinta-feira (23) que concluiu a terceira fase da Adutora do Algodão, extendendo a rede até a cidade de Lagoa Real.

De acordo com a estatal, a conclusão ocorre em um momento em que a barragem de São Pedro e a barragem do Córrego secaram por falta de chuva. O abastecimento na cidade foi mantido com a abertura de cinco poços, que não produziam água suficiente para a demanda da cidade.

Ainda segundo a Embasa, após os últimos testes na adutora, a água do rio São Francisco chegará a Lagoa Real, normalizando o abastecimento no município. A água também deve chegar em breve ao distrito de Ibirita, no município de Rio do Antônio. Nesta etapa são 72 quilômetros de tubulações que contribuirão para o abastecimento de cerca de sete mil famílias.

A Embasa informou que está investindo na diversificação de mananciais para garantir a continuidade do abastecimento durante a estiagem em decorrência do fenômeno El Niño, que causa redução do volume de chuvas na Bahia. As ações incluem a perfuração de novos poços em diversos municípios e o monitoramento intensivo dos rios onde atualmente a empresa capta água, além de melhorias e interligações entre sistemas.

“Estamos tomando as medidas possíveis para enfrentar a estiagem causada pelo El Niño, que coloca em risco a disponibilidade de água em parte dos nossos mananciais”, explica o presidente da Embasa, Leonardo Góes. “Fizemos um levantamento dos sistemas mais vulneráveis e estamos iniciando medidas de curto, médio e longo prazo para garantir a continuidade do fornecimento de água para a população nessa situação atípica”, conclui.

Água de Ceraíma

Apesar da captação no rio São Francisco, em Malhada, o último boletim de alocação disponibilizado pela Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), referente aos mesmo de junho, julho e agosto, mostra que Sistema Integrado de Abastecimento de Água (SIAA) do Algodão foi o maior consumidor do reservatório da barragem de Ceraíma, em Guanambi.

Foram retirados em média cerca de 262,23 litros por segundo (l/s) para abastecer Caetité e os distritos de Maniaçu, Lagoa de Dentro e Lagoa de Fora, além de Morrinhos (Guanambi).

Os números mostram que também foram retirados em média 84 l/s para complementar o abastecimento em Guanambi.

Diante de uma situação de incertezas quanto à regularidade das chuvas, irrigantes do Perímetro Irrigado de Ceraíma e lideranças políticas locais têm se mobilizado para pedir que a Embasa deixe de retirar água da barragem e passe a usar apenas a retirada do Rio São Francisco para o abastecimento humano da região.

O nível do reservatório chegou a pouco mais de 50% no início do mês.

Impacto da falta de chuvas

Em Piripá, na região de Vitória da Conquista, a falta de chuvas deixou a barragem do rio Bonito em nível crítico e um dos poços reduziu a produção de água. Para normalizar o fornecimento, a Embasa está trabalhando para aumentar a produção da estação de tratamento do município vizinho de Condeúba, e direcionar todo o excedente para Piripá. Em paralelo, a empresa está perfurando mais oito poços. A longo prazo, a empresa irá implantar uma captação de água na barragem de Anagé, com uma nova adutora fazendo a integração dos sistemas.

Em Lajedinho, a captação no rio Utinga secou no final de outubro e o abastecimento está ocorrendo com água captada no rio Bonito. Para completar o volume necessário para atender a demanda, além de perfurar um novo poço, a Embasa solicitou ao Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) a fiscalização para disciplinar o uso de bombas de captação de água no curso do rio Utinga, já que a prioridade do uso da água, em contexto de escassez hídrica, conforme a legislação, é o abastecimento humano.

Importância do reservatório – Para manter o abastecimento diante de interrupções no fornecimento, que podem ocorrer nesse contexto de estiagem, é fundamental contar com reservatório em casa. “Com um reservatório de tamanho adequado ao consumo dos moradores, é possível contar com uma reserva de água para os momentos mais críticos ou para quando há alguma manutenção na rede distribuidora”, orienta o diretor de Operação da Embasa no interior, Gildeone Almeida.

No caso da Região Metropolitana de Salvador, os mananciais não apresentam risco imediato, mas o aumento do consumo em decorrência do calor pode causar um retorno mais lento do sistema em casos de interrupção. Por isso, também é importante contar com uma caixa d’água. “Em um sistema grande e complexo como o de Salvador, o aumento do consumo pode reduzir a pressão da rede, dificultando a chegada da água nos locais mais altos. Com o reservatório, é possível guardar a água que chega nos momentos de menor consumo na rede”, explica Manuella Andrade, diretora de Operação da Embasa na RMS.

Da Agência Sertão com informações da Embasa

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas