obras da fiol
Reprodução
Anúncio

Após a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) aprovar o plano de viabilidade técnica e financeira da Ferrovia de Integração Oeste-Leste, o Governo deve iniciar a fase de audiências públicas para iniciar o plano de concessão da ferrovia. No entanto, apenas 35% do trecho de 1.527 quilômetros entrará em processo de concessão, estre trecho de 537 Km compreende os municípios de Caetité até Ilhéus.

O trecho em questão é o mais avançado da ferrovia, 75% das obras físicas estão concluídas, a estatal Valec é até então responsável pela obra. A utilização dos trilhos nesse trecho será futuramente para o escoamento da produção de minério de ferro das minas da região de Caetité.  “Vamos nos concentrar neste momento naquilo que efetivamente tem condições de ser viabilizado mais rapidamente”, disse o secretário especial da Secretaria do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Adalberto Santos de Vasconcelos ao Estadão.

A proposta de integração da ferrovia, como diz o próprio nome, é de integrar a região à Ferrovia Norte-Sul, em Figueirópolis, Tocantins. No entanto, o trecho de Caetité a Barreiras está com apenas 21% das obras concluídas, enquanto que o trecho entre Barreiras e Figueirópolis sequer foi iniciado.

As obras da Fiol foram iniciadas há 8 anos, a previsão inicial era de que a obra ficasse pronta em 2013. A construção da ferrovia foi orçada em R$ 4,2 bilhões, entretanto já foram gastos R$ 6,1 bilhões até agora e não previsão para conclusão da obra.

O governo pretende enviar a minuta do edital de concessão do trecho inicial da Fiol ao Tribunal de Contas da União (TCU) até outubro, para fazer o leilão do traçado até dezembro. Segundo o Estadão, entre os principais interessados no projeto estaria a China Communications Construction Company (CCCC), uma das maiores empresas chinesas de infraestrutura, além da China Railway Group, conhecida como Grupo Crec. Para viabilizar a ferrovia, o Porto Sul em Ilhéus também precisa ser viabilizado.

Anúncio

Deixe uma resposta