(Foto: Reprodução/TV Oeste)
 (Foto: Reprodução/TV Oeste)
(Foto: Reprodução/TV Oeste)

Os moradores do assentamento Rio Branco, localizado no município de Riachão das Neves, no oeste da Bahia, vivem há 17 anos, desde que a comunidade foi fundada, sem abastecimento de água. Para fazer a limpeza de casa e cozinhar, as cerca de 200 famílias utilizam a água do rio que batiza o assentamento.

O lavrador João Neves Santana conta que desde que se mudou para a comunidade, pegar o carrinho de mão, colocar os baldes e andar quase três quilômetros para pegar água é parte da rotina.

“Tiveram casos de eu pegar um balde de 20 litros nas costas, e aí chegava em casa, os filhos e netos todos aí. Só era tempo de chegar e ter que voltar, porque já tinha acabado [a água]”, diz o lavrador.

Algumas famílias instalaram rodas d’água no rio, um sistema que leva a água para as casas. A roça do lavrador Clériston Santana tem esse sistema, mas ele diz que as rodas d’água não resolvem o problema da falta de abastecimento. “Tem roda d’água que às vezes quebra, e a gente fica sem água. Aí tem que ter a caixa”, afirma.

O imóvel de Clériston também possui uma caixa d’água com capacidade para 5 mil litros, entretanto o lavrador só consegue manter o equipamento cheio quando a roda d’água funciona. “É um sacrifício. Tem que ir no rio, pegar em um balde, camburão, alguma coisa, para beber, lavar, cozinhar”, explica.

Responder

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui