Reprodução

A organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) admitiu publicamente que, em 2017, foram identificados 40 casos de abusos e assédio praticados por funcionários da entidade em todo o mundo. Desses, 24 casos envolvem assédio ou abuso sexual.

Os casos foram identificados a partir da investigação interna de 146 queixas ou alertas, número que não inclui os casos tratados diretamente pelas equipes locais e não relatados à sede da organização. Foram registradas queixas por abuso de poder, discriminação, assédio ou outras formas de comportamento inadequado por parte de funcionários.

Entre as 24 ocorrências caracterizadas como assédio ou abuso sexual, duas foram cometidas contra pessoas atendidas pela entidade, conhecida mundialmente por prestar ajuda médico-humanitária às vítimas d e conflitos armados, epidemias, desastres naturais, desnutrição e outras situações de grave risco à saúde. A própria organização classifica como abusos ou comportamentos inadequados aqueles que “têm um impacto imediato ou potencial sobre a saúde ou o bem-estar dos envolvidos, sobre a segurança de nossos beneficiários (pacientes e seus cuidadores) ou de nossa equipe”.

A organização acredita que o total de casos pode ser maior. Os motivos da subnotificação podem ser os mesmos verificados na sociedade em geral, incluindo o medo das vítimas quanto a possíveis represálias e de ser estigmatizadas. Informações da Agência Brasil.

Responder

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui