Reprodução
Anúncio

Os policiais civis que balearam Leno Sacramento na tarde desta quarta-feira (13) vão responder criminal e administrativamente, afirmou a delegada e corregedora-chefe Kátia Brasil. A Corregedoria da Polícia Civil instaurou um inquérito para apurar o caso, ocorrido na avenida Sete de Setembro em Salvador.

Leno passava de bicicleta pela região do Forte de São Pedro, acompanhado do cinegrafista Garlei Souza, quando policiais civis à paisana teriam ordenado que os dois parassem e um deles atirou em seguida, atingido a perna do ator. Garlei não ficou ferido.

Em coletiva de imprensa na manhã desta quinta (14) no Teatro Vila Velha, o advogado Cleifsson Dias afirmou que o caso será tratado como racismo institucional, com base na lei nº 7.716/89. Ele ressalta que a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) deve ser responsabilizada pelo ocorrido, não apenas o policial que atirou contra os dois.

O artista realizou exame de corpo de delito e vai prestar depoimento nesta sexta (15) na 1ª Delegacia dos Barris, em Salvador. O integrante do Bando de Teatro olodum foi baleado na perna durante uma abordagem policial nesta quarta (13) na avenida Sete de Setembro.

A arma utilizada para efetuar o disparo será periciada e imagens de câmeras de segurança na região, serão analisadas durante o processo.

Com informações do A Tarde.

 

Anúncio

Deixe uma resposta