O presidente Michel Temer entrega medalha da Ordem do Mérito Cultural. Durante a cerimônia, os Bois-Bumbás Caprichoso e Garantido, se apresentaram e receberam o certificado de Patrimônio Cultural Brasileiro.

O presidente Michel Temer entregou hoje (28) a Ordem do Mérito Cultural a 35 pessoas e entidades pelas realizações e atividades prestadas na área da cultura brasileira. O título é entregue desde 1995, período em que mais de 700 artistas e entidades já foram contempladas. Com o tema Cultura gera Futuro, o foco desta edição do evento foi a promoção do desenvolvimento econômico e social por meio da economia criativa no setor cultural.

Durante a cerimônia, os Bois-Bumbás Caprichoso e Garantido receberam o certificado de Patrimônio Cultural Brasileiro. Representantes das duas manifestações se apresentaram no Salão Nobre do Palácio do Planalto, onde ocorreu o evento. O atores Carlos Vereza e Milton Gonçalves, que já haviam sido agraciados em edições anteriores, foram promovidos à Classe Grã-Cruz, o mais alto grau da ordem.

Na mesma categoria foi agraciado, em memória, o apresentador de televisão Chacrinha. Na classe Comendador, receberam a homenagem a mestra cirandeira paraibana Vó Mera, referência na divulgação do coco de roda, o produtor de cinema Carlos Saldanha, responsável pelas animações A Era do Gelo e Rio, a atriz e bailarina Eva Wilma e o integrante do grupo Os Trapalhões Dedé Santana. Na Classe Cavaleiro foram reconhecidas personalidades como o bailarino reconhecido internacionalmente Thiago Soares e a cantora Wanda Sá.

Dentre as instituições destacadas este ano estão o centenar Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, o Festival VillaMix, o Museu de Arte de São Paulo, a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais e o Museu da Gente Sergipana, primeiro museu interativo do Nordeste.

Após conceder os títulos, Temer reconheceu a importância de se trabalhar com o conceito da economia criativa e a participação de artistas no engrandecimento e divulgação da cultura do país. “Eu vejo esta solenidade como um tributo ao imenso talento e à imensa criatividade do Brasil e dos brasileiros. Não são poucos os nossos escritores, atores, comentaristas que têm presença significativa no nosso país, mas também uma extraordinária presença em outros países.

Se você gosta do conteúdo da Agência Sertão, colabore para o aprimoramento do nosso Jornalismo a partir de R$ 10 por mês e seja um assinante - Saiba como!

 

A homenagem, que é considerada a maior honraria concedida no setor cultural, contou com apresentações musicais da Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás.

Políticas culturais

A primeira-dama, Marcela Temer, e o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, participaram da solenidade. Além de defender como “eixo central” do retorno das políticas culturais no país o estímulo das atividades criativas, o ministro afirmou que a “arte e a cultura” são atividades “próprias dos indivíduos, e não do Estado”. “Nosso papel é estimular e fomentar, jamais fazer. Menos Estado significa mais desenvolvimento e mais liberdade”, disse.

Em uma espécie de balanço do período de um ano e quatro meses à frente da pasta, Sérgio Sá Leitão elogiou os trabalhos da equipe como “incansáveis” na busca da eficiência da gestão. “Em nossa área, presidente [Temer], o senhor vai entregar ao presidente eleito, Jair Bolsonaro, um ministério da Cultura muito mais estruturado e atuante. O passivo foi reduzido, a gestão aperfeiçoada, o dialogo ampliado, e os resultados elevados”, complementou.

Responder

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui