A Câmara Municipal de Guanambi aprovou e o prefeito Jairo Magalhães sancionou as leis que dispõem sobre a denominação de três logradouros públicos na cidade. As leis foram publicadas no Diário Oficial desta segunda-feira (6), portanto entra em vigor na data de sua publicação.

Ruas que receberam os nomes

A rua “A” , localizada no loteamento Binha Teixeira, fica denominada agora de Rua Marcio Venício de Oliveira Fernandes. Marcio Venício conhecido popularmente como Nego eletricista, nasceu em 1973 em vitória da Conquista. Mudou-se para Guanambi em 1986 e em 2009 residiu no Bairro Brasília, onde envolveu-se com projetos esportivos e se tornou treinador do time de futsal do bairro. Nego eletricista teve duas filhas e faleceu no ano passado com 45 anos de idade. Esse projeto de lei foi proposto em janeiro de 2019 pelo vereador Rafael Macedo (PT).

A rua “L” do Bairro Lino Mangabeira, localizado no distrito de Ceraíma, fica denominada de Rua Antonino Pereira da Costa. Antonino Pereira nasceu em Guanambi em 1923, teve seis filhos e faleceu em 2013, com 90 anos de idade. Esse projeto de lei foi proposto em fevereiro de 2014 pelos vereadores Adão Oliveira (PSDB) e Hélio Pereira (lelé) (PSB).

Colabore

Se você gosta do conteúdo da Agência Sertão, colabore para o aprimoramento do nosso Jornalismo a partir de R$ 10 por mês e ganhe recompensas exclusivas, saiba mais!

Por fim, a Rua “13”, localizada no Bairro Ipanema, fica denominada de Rua Benjamin Rodrigues de Carvalho. Benjamin Rodrigues nasceu em 1918 na comunidade do Minador, em Mutans, distrito de Guanambi. Em 1980 mudou-se para o bairro Vila Nova, em Guanambi, onde se estabeleceu como comerciante de cereais. Casou-se com dona Laudelina da Silva, com quem teve 10 filhos e faleceu no dia 20 de dezembro de 2014. Esse projeto de lei foi proposto em maio de 2018 pelo vereador Carlos Jackson (Loló) (PDT).

No final de abril do ano passado, os logradouros públicos de Guanambi, com nomes de pessoas vivas e de ditadores do regime militar, tiverem os seus nomes alterados. A mudança ocorreu a partir de um projeto de lei aprovado pela câmara de vereadores e sancionado pelo prefeito a época. Desde 2015 o Ministério Público Federal cobrava do município a substituição de nomes, de pessoas vivas e de ditadores do regime militar, de propriedades públicas.

Confira o áudio desta notícia

Deixe uma resposta