Agência Sertão/ Edu Vale

O Hospital Regional de Guanambi (HRG) vem passando por uma crise administrativa nos últimos meses. Várias mudanças de cargos importantes e reivindicações em relação a gestão da unidade, além da falta de investimentos por parte do governo do estado, têm desencadeado manifestações.

Na manhã desta segunda-feira (20), mais um episódio reacendeu as discussões. Técnicos de Enfermagem, Enfermeiros e Auxiliares de Enfermagem, que prestam serviço no HRG, realizaram um ato em protesto às más condições de trabalho. A manifestação ocorreu em frente a unidade de saúde.

No domingo (19), os organizadores emitiram uma nota convocando toda a categoria para participar do movimento. Segundo a nota, maio é um mês especial para a luta da Enfermagem, devido as comemorações do Dia Mundial do Enfermeiro (12/05) e do Dia Nacional dos Auxiliares e Técnicos de Enfermagem (20/05).

Colabore

Se você gosta do conteúdo da Agência Sertão, colabore para o aprimoramento do nosso Jornalismo a partir de R$ 10 por mês e seja um assinante - Saiba como!

 

Ainda de acordo com a nota, nos últimos tempos, os profissionais da área vivenciam a super lotação do HRG, onde se observa mais de 40 pacientes em macas pelos corredores, sujeitando a todos os profissionais e pacientes, situações de vulnerabilidade e insegurança. Além disso, a categoria também exige valorização da profissão e a reposição salarial que não é aplicada há mais de 4 anos.

No dia 26 de abril Maria das Graças Costa Cotrim foi exonerada do cargo de Diretor do HRG e Paula Luísa Lima Melo assumiu o cargo. Já no dia 1º de maio, após visita do secretário de saúde do estado Fábio Vilas-Boas, o coordenador administrativo do HRG Dorisvaldo Lobo pediu demissão sob alegação de que o secretário havia qualificado a gestão do hospital de medíocre. Lobo foi exonerado no dia 4 de maio.

A polêmica mais recente, relacionada a unidade, envolveu o presidente do Consórcio Intermunicipal de Saúde do Alto Sertão (Cis-Alto Sertão). Dorival Barbosa, que é prefeito de Urandi, disse em um áudio divulgado no aplicativo WhatsApp que a crise no Hospital Regional é fruto de interferência política.

Confira o áudio desta notícia

Veja a íntegra da nota do protesto desta segunda:

Nota de esclarecimento e Convocação

Maio é um mês especial para a luta da Enfermagem. Estes profissionais são homenageados em dois momentos específicos: no Dia Mundial do Enfermeiro (12/05) e no Dia Nacional dos Auxiliares e Técnicos de Enfermagem (20/05). São datas que possibilitam a ampliação do diálogo com a sociedade sobre os desafios que estes trabalhadores enfrentam no seu cotidiano e as reais condições da saúde pública e privada. Neste período são realizadas as “Semanas de Enfermagem” em todo o País. Um momento oportuno para a organização destes trabalhadores que, segundo estudos, são quase 200 milhões no mundo, englobando enfermeiros, técnicos e auxiliares.

A enfermagem é uma atividade vital para a saúde da população e tem um papel importante na expansão e consolidação do Sistema Único de Saúde (SUS) como um sistema público e universal. Isso faz com que estejam expostos a riscos pertinentes ao cotidiano de seus trabalhos. Por estar na linha de frente no atendimento da população, é uma categoria que sofre com situações de violência no trabalho. Nos últimos tempos vivenciamos a super lotação do Hospital Regional de Guanambi onde se observa mais de 40 pacientes em macas pelos corredores, sujeitando a todos os profissionais e pacientes situações de vulnerabilidade e insegurança.

Por esta vivenciando está triste realidade convocamos aos Técnicos de Enfermagem, Enfermeiros e Auxiliares de Enfermagem para se juntarem a nos nessa batalha pela valorização da nossa profissão e a reposição salarial que não é aplicada a mais de 4 anos, ato que será realizado nesta segunda feira dia 20 a partir das 08h no Hospital Regional de Guanamabi.

Essa luta é de todos nós. Viva a enfermagem unida!

Deixe uma resposta