Foto: Leiamais.ba

O grupo de dança Quilombo dos Anjos será atração do programa ‘Como Será?’ da Rede Globo de televisão. A direção do programa esteve na comunidade Lagoa dos Anjos, distrito de Candiba (BA), na segunda-feira (15) e terça-feira (16), realizando as gravações.

‘Como Será?’ é um programa jornalístico semanal, exibido nas manhãs de sábado, para todo o Brasil, das 7h15 às 9h na Globo. A programação estreou em 9 de agosto de 2014, sendo apresentado por Sandra Annenberg. A reportagem do grupo Quilombo dos Anjos está prevista para ser exibida no dia 14 de setembro.

Nesta quarta-feira (17), cinco integrantes do grupo participaram do programa Fala Você, apresentado por Neide Lú, na 106 Fm – Carlúcia Alves, coreógrafa responsável pelo projeto, Binho Silva, Sarinha Santos, Nessa Neres e Ruanzinho, dançarinos. Na entrevista, Carlúcia falou dos bastidores da filmagem e as perspectivas do grupo em relação a exibição de suas coreografias em rede nacional.

Segundo Carlúcia, a iniciativa de criar o grupo de dança Quilombo dos Anjos surgiu em 2017, após uma reunião feita entre moradores e uma equipe do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) de Candiba, para dialogar sobre formas de transformar o dia a dia dos jovens da região.

Na ocasião, a coreografa, à época estudante do Ensino Médio do Colégio Estadual Antônio Batista, foi incentivada a reunir outros adolescentes da comunidade para realizarem uma apresentação de dança no Dia das Mães.

Se você gosta do conteúdo da Agência Sertão, colabore para o aprimoramento do nosso Jornalismo a partir de R$ 10 por mês e seja um assinante - Saiba como!

 
Arquivo Pessoal

A comunidade Lagoa dos Anjos é um território de resistência e de preservação da cultura afro-brasileira, reconhecido pela Fundação Cultural Palmares como uma comunidade remanescente quilombola, desde 2011.

As apresentações do grupo valorizam o conhecimento da cultura africana, por meio de coreografias tradicionais, embaladas por músicas populares, com raízes nos ritmos afro-brasileiros como forró, axé e funk.

Responder

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui