Reprodução

Depois da liberação do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), a equipe econômica quer dar sinal verde à antecipação do pagamento do 13º a beneficiários do INSS.

De acordo com a coluna Painel, da Folha, a avaliação é a de que não será uma única medida que alavancará o emprego. A aposta é que apenas a melhora do ambiente econômico estimulará contratações.

Ainda segundo a coluna, o governo Bolsonaro começa a estudar formas de reabilitar o imposto que incide sobre pagamentos e movimentações bancárias para fugir do estigma da CPMF. O primeiro argumento: será uma taxa que eliminará vários outros tributos.

O mote da simplificação tributária, cerne do discurso pró-reforma, deve ser ampliado. Auxiliares de Jair Bolsonaro querem que a discussão envolva também mudanças no Imposto de Renda e nos tributos que incidem sobre salários. Dessa forma, o debate atrai as pessoas e não se restringe às empresas.

A primeira iniciativa para engajar as pessoas na próxima reforma, após a volta do recesso parlamentar, é adensar as críticas à “esquizofrenia” do sistema tributário, que complicaria a vida do Estado e dos contribuintes, drenando a capacidade de crescimento da economia.

Se você gosta do conteúdo da Agência Sertão, colabore para o aprimoramento do nosso Jornalismo a partir de R$ 10 por mês e seja um assinante - Saiba como!

 

Responder

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui