Tempo nublado na Zona Rural de Guanambi - Foto: Agência Sertão

Foi publicado no Diário Oficial do Município, desta segunda-feira (30), um decreto declarando situação de emergência em Guanambi.

De acordo com a determinação, a falta de chuvas nos últimos meses, principalmente a partir do mês de março, vem provocado danos à subsistência da população do Município, em especial da comunidade rural.

O decreto informou ainda que um número significativo de propriedades rurais tem experimentado graves prejuízos às atividades produtivas, principalmente – a agricultura sequeira e a pecuária.

A resolução cita o relatório publicado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no dia 20 de setembro de 2019, como respaldo para declaração de situação de emergência.

No relatório, o rebanho bovino do Município de Guanambi apresentou uma diminuição significativa de 58.015 cabeças em 2016, para 53.185 no ano de 2018. Segundo o decreto, os anos anteriores de secas foram responsáveis, substancialmente, pela diminuição do rebanho bovino.

Se você gosta do conteúdo da Agência Sertão, colabore para o aprimoramento do nosso Jornalismo a partir de R$ 10 por mês e seja um assinante - Saiba como!

 

A partir dessa perspectiva, a determinação autorizou a mobilização de todos os órgãos municipais para atuarem sob a coordenação da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil e do Departamento Municipal de Defesa Civil, nas ações de resposta ao desastre e reabilitação do cenário e reconstrução.

O decreto propõe ainda a dispensa de licitação dos contratos de aquisição de bens necessários às atividades de resposta ao desastre, de prestação de serviços e de obras relacionadas com a reabilitação dos cenários dos desastres, desde que possam ser concluídas no prazo máximo de 90 dias consecutivos e ininterruptos, contados a partir da caracterização do desastre, vedada a prorrogação dos contratos.

Confira outras ações consideradas necessárias pelo decreto no Diário Oficial

Desde o início do semestre, a prefeitura precisou reforçar o abastecimento de água potável à população rural. Foram contratados mais caminhões pipas para atender a crescente demanda.

Um agravante para esse cenário é que o mês de outubro começa com pouca possibilidade de chuva em Guanambi e em boa parte do Semiárido Baiano. As previsões dos principais institutos de meteorologia, apontam o período chuvoso apenas para meados de novembro.

A estiagem agrícola, período sem registro de chuva de pelo menos 10 mm, já dura 172 dias. Em outubro podem ocorrer pancadas isoladas, sobretudo na última semana do mês, no entanto, esses volumes não devem ser suficientes para interromper a estiagem na maioria das áreas.

Apesar das previsões não serem muito animadoras, em agosto, o meteorologista Paulo Etchichury disse que apesar da demora no início do período chuvoso, a tendencia é que as chuvas sejam regulares até abril de 2020, com menor probabilidade de longo período de veranico (período de estiagem, acompanhado por calor intenso, forte insolação e baixa umidade), na temporada chuvosa.

Responder

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui