Barragem de Sobradinho - Agencia Sertão
Barragem de Sobradinho - Agencia Sertão

O volume útil do lago da Barragem de Sobradinho (Usina Hidroelétrica de Sobradinho) passou de 63% neste sábado (21), segundo dados do Sistema de Acompanhamento de Reservatórios (Sar) da Agência Nacional de Águas (ANA).

Este é o maior volume registrado desde 2012, quando o lago chegou a 88% de sua capacidade. A volta do lago cheio acontece no intervalo de tempo mais crítico de Sobradinho e do Rio São Francisco nas últimas décadas.

A quantidade de água armazenada mais do que dobrou em relação ao registrado no início de dezembro, quando o volume estava próximo a 25%. No dia 3 de março, o reservatório atingiu 50% de seu volume útil.

O volume deve continuar subindo consideravelmente nos próximos dias, pois o rio São Francisco ainda está atingindo seu nível máximo à montante da Barragem de Sobradinho.

Rio São Francisco em Morporá – Foto: Tayná Almeida

No município de Marporá, distante pouco mais de 200 Km do início do lago de Sobradinho, em Pilão Arcado, o pico de cheia foi registrado na última sexta-feira (22). O nível do rio chegou a 7,14 metros e começou a cair lentamente neste sábado. Isto significa que o pico de cheia no lago, segundo dados do Serviço Reológico do Brasil (CPRM), deve ocorrer por volta da próxima terça-feira (24).

Além disso, ainda há previsão de chuva em toda a bacia até o fim desde mês, podendo voltar a chover na primeira quinzena de abril. Caso se confirmem as previsões, mais água contribuirá para o aumento do nível da barragem antes do início do período seco.

Rio São Francisco em Bom Jesus da Lapa – 9 de março de 2020 – Divulgação / Codevasf

O rio São Francisco teve duas grandes cheias em 2020. A primeira ocorreu entre o fim de janeiro e o início de fevereiro, devido aos acumulados de chuva históricos registrados em toda a região central de Minas Gerais.

Já a segunda cheia, cerca de um mês depois da primeira, ocorreu principalmente pelo vertimento das águas do reservatório da Usina Hidroelétrica de Três Marias, em Minas Gerais. Após chuvas intensas nas cabeceiras do São Francisco e seus afluentes, foi necessário abrir as comportas no dia 28 de fevereiro. Na semana passada, as comportas começaram a ser fechadas, ficando o vertimento a uma vazão restrita a 5% do pico registrado em 5 de março.

Mesmo com o vertimento, o volume do reservatório de Três Marias continua subindo, passando de 98% neste sábado.

Barragem de Sobradinho

A Usina Hidrelétrica de Sobradinho está localizada nos municípios de Sobradinho e Casa Nova, estado da Bahia, a 40 quilômetros das cidades de Juazeiro (Bahia) e Petrolina (Pernambuco) e distante, aproximadamente 470 quilômetros do complexo hidroenergético de Paulo Afonso.

A usina tem uma potência instalada de 1,05 milhão de quiloWatts (ou 1 050 megawatts) e conta com 6 máquinas geradoras. A Usina está posicionada no rio São Francisco a 748 km de sua foz, possuindo, além da função de geração de energia elétrica, a de principal fonte de regularização dos recursos hídricos da região.

Foto: Carlos Railton / Agência Sertão

O aproveitamento Hidrelétrico do lago da Barragem de Sobradinho está instalado no grande Rio São Francisco, principal rio da região nordestina, com área de drenagem de 498.968 km², bacia hidrográfica da ordem de 630.000 km², com extensão de 3.200 km, desde sua nascente na Serra da Canastra em Minas Gerais, até sua foz em Piaçabuçu (Alagoas) e Brejo Grande (Sergipe).

O lago de Sobradinho é um dos maiores lagos artificiais do mundo, com 4 214 quilômetros quadrados de área e 32,2 quilômetros cúbicos de água. Em torno do lago, estão os municípios de Casa Nova, Pilão Arcado, Remanso, Sento Sé e Sobradinho, cujas antigas áreas urbanas foram inundadas, em 1974, durante a formação da represa. O impacto ambiental que se produziu, à época, é lembrado nos versos de uma canção bem conhecida no Brasil, compostos por um poeta da região: Guttemberg Guarabyra, do grupo Sá, Rodrix e Guarabyra.

Doze mil famílias, ou cerca de 70 mil pessoas, foram então transferidas para novos assentamentos, que receberam os mesmos nomes das cidades submersas, cujas ruínas, durante os períodos de seca e redução do nível da água represada no lago, costumam reaparecer.

O lago de Sobradinho tem 400 quilômetros de extensão e 4 214 quilômetros quadrados de espelho de água. Em alguns trechos, sua largura chega a 25 quilômetros e sua capacidade de armazenamento é de 34 bilhões de metros cúbicos de água, em sua cota nominal de 392,50 metros.

Incorpora-se a esse aproveitamento uma eclusa de propriedade da Codeba – Companhia das Docas do Estado da Bahia, cuja câmara tem 120 m de comprimento por 17 de largura, permitindo às embarcações vencerem o desnível de 32,5 metros criados pela barragem, garantido assim a continuidade da tradicional navegação entre o trecho do Rio São Francisco compreendido entre as cidades de Pirapora/MG e Juazeiro/BA – Petrolina/PE. A navegação no entanto esteve comprometida pela seca e pelo assoreamento da rio.

Através de uma depleção de até doze metros, o lago de Sobradinho garante, juntamente com o reservatório de Três Marias, da Cemig, uma vazão regularizada de 2.060 metros cúbicos por segundo nos períodos de estiagem, permitindo a operação de todas as usinas da CHESF situadas ao longo do rio São Francisco. O reservatório foi concebido para suportar até dois anos de estiagem, antes de chegar a 10% de seu volume útil.

Maior Seca

Os anos de 2014 a 2018 foram marcados pelas piores secas da bacia hidrográfica do rio São Francisco. Em Sobradinho, o cenário mais desolador foi registro em dezembro de 2015, quando o volume útil do lago chegou a apenas 1,03%.

Já a última vez que Sobradinho atingiu sua capacidade máxima e precisou abrir comportas foi em abril de 2009, desde então, nunca mais o procedimento precisou ser adotado.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui