Barragem do Poço do Magro - Foto: Thiago Nery

O lago da barragem do Poço do Magro, em Guanambi, recebeu bastante água após as chuvas recentes, atingido ao fim deste período chuvoso a marca de 66% de sua capacidade.

Até o final de dezembro do ano passado, Poço do Magro armazenava apenas 18,5% de sua capacidade, que é de 37 milhões de metros cúbicos. As chuvas dos primeiros meses de 2020 levaram para a barragem quase três vezes o volume do início do período chuvoso, total de 17,5 milhões de metros cúbicos, chegando ao total 24,32 milhões de metros cúbicos.

Poço do Magro recebeu mais água em 2020 do que a barragem de Ceraíma, outra barragem do município de Guanambi, que no período chuvoso acumulou quase 22 milhões de metros cúbicos. No entanto, Ceraíma acumula mais água, quase 51 milhões de metros cúbicos. Nesta segunda-feira (20), o nível da barragem chegou a apenas 6 centímetros do vertedouro.

Barragem do Poço do Magro – Outubro de 2019 – (foto: Thiago Nery)

Neste mesmo período, o nível da água da barragem subiu mais 4,07 metros, fincando distante 2,4 metros do vertedouro. Em algumas áreas da bacia do Riachão, foram registrados acumulados acima de 1.000 mm neste período chuvoso.

No final do período chuvoso de 2019, o volume do lago era de 40%, mais de 10 milhões de metros cúbicos a menos do que o registrado atualmente. Já em 2018, Poço do Magro chegou a registrar 64% de sua capacidade. A maior seca da barragem foi registrada em 2020, com o volume de armazenado chegando a apenas 3,1%.

Inaugurada em 2005, a barragem do Poço do Magro atingiu sua capacidade total pela primeira vez em 2016.

A água da barragem de Poço do Magro é usada para abastecimento de comunidade vizinhas e também para a construção civil. Uma adutora conduz a água até um ponto de abastecimento, localizado em frente ao Parque de Exposições de Guanambi. Neste local os caminhões-pipa coletam a água para diversas finalidades.

Assim como Ceraíma, a Barragem de Poço do Magro é de responsabilidade da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf). O órgão alerta para a proibição da entrada de visitantes nas duas barragens, a fim de evitar acidentes e até danos às estruturas de barramento.

Foi grande o movimento de curiosos em Ceraíma durante o fim de semana. Um homem entrou na água e acabou desaparecido, sendo encontrado por bombeiros na tarde desta segunda-feira (20).

As outras duas barragens de responsabilidade da Codevaf na região encontram-se em Urandi. Até a última sexta-feira, a barragem do Estreito acumulava 43,4 % de sua capacidade, enquanto que a barragem de Cova da Mandioca chegou a 16,8%, volume que coloca em alerta os irrigantes da região, que podem não ter água suficiente para suas atividades até o final do ano, caso não seja aplicado um regime de racionamento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui