Imagem Ilustrativa

Desde 2 de setembro, a Prefeitura de Guanambi contratou a empresa 7 Brasil Empreendimentos e Participações Ltda – EPP, com sede no município de Eunápolis, para a construção da sede própria do Hospital Municipal.

Única participante da concorrência, a empresa teve seu nome habilitado pela Comissão licitante em agosto de 2019, com a proposta para construção da obra no no valor de R$ 3.633.422,51.

Na última quinta-feira (30), a Prefeitura de Guanambi publicou no Diário Oficial do Município, a retificação do resumo de Instrumento Contratual, referente a contratação de empresa, com material e mão de obra, destinada a construção do Hospital Municipal de Guanambi. No entanto, a ordem de serviço para início da obra ainda não foi expedida.

A data inicial do contrato está fixada em 2 de setembro de 2019 e a vigência do contrato terá duração de 20 meses, ou seja, o início das obras está com oito meses de atraso em relação ao estipulado e restam apenas 12 meses para o término da duração do contrato.

O secretário municipal de infraestrutura, Marco Antônio, informou à Agência Sertão que por se tratar de um convênio, a alteração de terreno ainda que no mesmo bairro, como é o caso específico, demandou tempo para que a Caixa econômica acatasse a mudança, bem como a autenticidade da nova área.

Ainda de acordo com Marco Antônio, a mudança de local para construção do hospital ocorreu, devido ao terreno possuir dimensão incompatível com o projeto.

O local onde será construída a unidade de saúde será na Praça Maria de Jesus Gomes no Bairro Ipanema – uma quadra de distância da pretensão de construção anterior. O Hospital Municipal terá área construída de 1.418 m².

Segundo o secretário, os critérios utilizados para escolha do local foram – disponibilidade de área e dimensões. No entanto, uma das contrapartidas da prefeitura é a infraestrutura do entorno e acesso, uma vez que o local ainda carece de infraestrutura, como pavimentação.

O Hospital foi planejado dividido em módulos, sendo o primeiro com 30 leitos cirúrgicos, o segundo com 30 leitos obstétricos, podendo ser ampliado para até 100 leitos.

Os recursos para construção do novo hospital são oriundos de Emenda Parlamentar do Deputado Federal Daniel Almeida e estão disponíveis desde 2015. O município entrará com contrapartida de mais de R$ 1 milhão.

Prefeitura precisou mudar área onde será construído o hospital

Atualmente o município não dispõe de um hospital municipal. O atendimento pelo município é feito através da UPA 24 horas e pelo “hospital” que funciona desde junho de 2015, no 2.º andar do antigo Hospital São Lucas para realização de cirurgias eletivas. O custo mensal de locação do imóvel é R$ 43 mil.

Após concluída a obra, a prefeitura irá adquirir todos os equipamentos e materiais permanentes para funcionamento do Hospital.

Em tempos de pandemia do novo Coronavírus, a Prefeitura está criando leitos no prédio da antiga Promater e no Hospital provisório. Embora não haja casos confirmados da doença no município, 40 leitos estão sendo preparando para o atendimento da eventual demanda, incluindo seis leitos de UTI. Um processo seletivo deve ser divulgado em breve para contratação do pessoal que atuará nas duas unidades de saúde.

Responder

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui