Foto / Reprodução: Victor Boa Sorte

O Conselho Municipal de Saúde (CMS) emitiu parecer técnico nesta quinta-feira (9), pedindo revisão da abertura do comércio não essencial em Guanambi.

De acordo com a avaliação, após a flexibilização do funcionamento de serviços não essenciais, por meio do decreto 786 de 26 de junho de 2020, as notificações de casos suspeitos e de casos positivos tiveram um avanço considerável no município, sobretudo após o funcionamento de bares, restaurantes, igrejas, academias, hotéis e motéis. Segundo o parecer, nos últimos quinze dias a curva de surgimento dos casos tem sido ascendente.

No respectivo período, surgiram 35 novos casos de coronavírus em Guanambi. No dia 26 de junho, o boletim de covid-19 da Secretaria Municipal de Saúde contabilizava 79 casos positivos, sendo 12 por meio de PCR (exame laboratorial) e 67 por Teste Rápido e 75 pessoas recuperadas.

Atualmente o município de Guanambi contabiliza 114 casos positivos da doença e 88 pacientes considerados recuperados. Do total de casos confirmados, nenhum apresenta sintomas graves da doença, e 16 pacientes já apresentavam comorbidades, todos estão sendo acompanhados. Esses dados foram divulgados no Boletim Epidemiológico, atualizado nesta quinta-feira (9).

Além disso, o CMS ressalta que dentre os novos casos a maioria tem sido evidenciada por meio de RT-PCR, exame laboratorial que identifica a presença do novo Coronavírus no organismo do indivíduo precocemente, algo que facilita o rápido diagnóstico e tratamento, entretanto, é um período em que a probabilidade de transmissão do vírus é mais acentuada.

Ainda conforme o parecer, os boletins epidemiológicos de covid-19 emitidos pela Secretaria Municipal de Saúde de Guanambi mostram que não se tem internações por covid-19, todos os pacientes positivados estão recuperando de forma rápida e com pouca sintomatologia.

No entanto, o CMS considera imprudente se apegar a esse fato, tendo em vista que o Sistema Único de Saúde (SUS) preconiza a saúde preventiva, ou seja, ações e políticas públicas de saúde que visem impedir ou frear o surgimento de doenças e agravos a saúde pública.

Diante dessa perspectiva, o CMS pontua a necessidade de ações urgentes por parte do poder público municipal e das autoridades competentes, com vistas a frear esse rápido surgimento de novos casos e a disseminação do novo coronavírus.

Para o órgão, as flexibilizações dos serviços não essenciais devem ser imediatamente revistas pelo gestor municipal e a fiscalização do funcionamento dos demais serviços e do comportamento da população que fira as normativas, orientações e recomendações dos organismos de saúde, deve ser mais efetiva e rígida.

Na última terça-feira (7), o Comitê de Enfrentamento a pandemia do Novo Coronavírus avaliou que o quadro epidemiológico do avanço da Covid-19 seria observado em estado de alerta, de modo que se não houver uma cessação no aumento de casos, medidas mais restritivas serão novamente adotadas pelo Poder Público.

Responder

Por favor, escreva seu comentário
Digite seu nome aqui