Reprodução

Depois de uma queda acentuada no saldo de empregos formais, as empresas de Vitória da Conquista voltaram a contratar mais do que demitir. Os dados relativos ao mês de agosto foram divulgados nesta quarta-feira (30), no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Pelo segundo mês consecutivo, o resultado foi positivo na geração de novas vagas. Durante todo o mês, foram 1.112 demissões contra 1.744 admissões, saldo de 632 postos de trabalho abertos no município. Em Julho, o saldo foi de 421 vagas.

A pandemia do coronavírus e suas consequências econômicas no mercado de trabalho começara a ser sentidas na cidade em março, quando 169 postos foram fechados. Em abril houve um recorde de demissões, resultado na diminuição de 1.907 vagas. O aumento do desemprego continuou em maio, com o fechamento de 704 postos e seguiu até junho, com menos 179 vagas, até ser revertido no mês seguinte.

Veja também: Empresas contratam em Guanambi, Vitória da Conquista e outras cidades

Desde o início da pandemia, 1.906 postos de trabalho foram fechados em Vitória da Conquista. Este número chegou a 2.959 em junho, antes das empresas voltarem a contratar nos dois últimos meses. No acumulado de janeiro a agosto, 1.368 foram fechadas no município. Ao todo, os estabelecimentos empresariais da cidade empregam 60.237 trabalhadores com carteira assinada.

Todos os setores da a economia tiveram saldo positivo de contratação. A indústria foi o quem mais contratou na cidade, 429 vagas abertas. A construção Civil teve saldo 267 novas vagas, o comércio de 199, o setor de serviços de 102 e o setor agropecuário de 56 novos trabalhadores.

Bahia

A Bahia também teve saldo positivo de empregos formais pelo segundo mês consecutivo. Foram criadas 4.375 vagas em julho e mais 9.420 em agosto. No acumulado do ano há uma diminuição de 48.052 postos de trabalho.

Brasil

Os dados do Caged apontam que o saldo também foi positivo pelo segundo mês seguido no país. Foram 141.190 novas vagas em julho e 249.388 em agosto. Ao todo, o país acumula 37.960.236 carteiras assinadas. Em relação ao final de 2019, o país perdeu 849.387 vagas no mercado formal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui