18.1 C
Guanambi
15.1 C
Vitória da Conquista

Com recorde de mortes e de casos, prefeitura de Vitória da Conquista quer suspender toque de recolher

9,213FãsCurtir
15,413SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
823InscritosInscrever
Tiago Marqueshttps://agenciasertao.com/
Tiago Marques é redator e editor do site Agência Sertão. Trabalha com produção de conteúdo noticioso para rádio e internet desde 2015.

Últimas Notícias

Mais Lidas

Vitória da Conquista registrou um novo recorde de casos diários da Covid-19 nesta quarta-feira (10), foram 228 e mais dois óbitos. As informações foram divulgadas no último boletim epidemiológico da Secretaria Municipal de Saúde.

Considerando as datas de confirmação dos boletins municipais, foram 26 óbitos nos 10 primeiros dias de fevereiro, média de 2,6 por dia, a maior desde o início da pandemia. Já a média diária de casos no mês está em 105,5. Alguns destes óbitos ocorreram no mês anterior, mas só foram contabilizados em março.

Pelos dados da prefeitura são ao todo 336 óbitos desde abril de 2020 e um total de 21.156 casos. Já os registros oficiais do Ministério da Saúde apontam que 344 óbitos e 21.815 casos. A Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) também registra 344 óbitos. A divergência nos dados pode ocorrer por atraso nas notificações por parte da prefeitura.

Em um cenário estável, mas com média elevada de novos casos e de mortes, a Prefeitura de Vitória da Conquista pode buscar meios para interromper o toque de recolher noturno imposto pelo Governo do Estado até 1º de abril. Na última terça-feira (9), o secretário municipal de Administração e coordenador do Comitê de Gestão de Crise, Kairan Rocha Figueiredo, afirmou em entrevista à Rádio Band FM a intensão de suspender a medida no município.

Nas palavras do secretário, a análise dos dados feita pelo Núcleo de Bioestatística do município mostram que a medida não tem feito efeito no controle da pandemia no município. Ele acredita que o funcionamento dos bares com obediência as normas de prevenção não acarreta em aumento dos casos.

Kairan reafirmou que as medidas implementadas pelo Governo do Estado não surgiram efeitos nos números de Vitória da Conquista, pois a taxa de transmissão permanece estável e que número de casos ativos aumentou desde o início do toque de recolher.

O secretário disse ainda que Vitória da Conquista não é responsável pela pressão sobre a taxa de ocupação dos leitos de UTI e que o funcionamento do comércio não está relacionado com o aumento de casos. Kairan ainda afirmou que o Governo do Estado decidiu de forma equivocada ao estender as medidas para todo o Estado. Por fim, o secretário defendeu o uso de máscaras, álcool gel e o distanciamento social, e disse mais uma vez que medidas como lockdown e toque de recolher não têm efetividade.

O que nós como Prefeitura e que defendemos e o nosso Núcleo de Bioestatística de Saúde defende desde o início é o distanciamento social e não o isolamento social. Então é óbvio que incentivando aglomerações, os eventos com grandes aglomerações, os bares funcionando com pessoas em pé, sem respeitar o distanciamento das mesas, a ocupação de quatro pessoas, em fim, isso sim a gente é contra nós temos que defender o distanciamento social, evitar as grandes aglomerações. Agora o isolamento social se mostrou inócuo dentro do nosso Município, na é inócuo dentro do nosso Município o Lockdown”, disse kairan

De acordo com nota publicada pela Prefeitura, o Comitê de Gestão de Crise para o enfrentamento da Pandemia esteve reunido nesta quarta-feira, no Gabinete Civil, para discutir o panorama epidemiológico do coronavírus em Vitória da Conquista.

A prefeitura informou que a prefeita em exercício, Sheila Lemos (DEM), recebeu a análise bioestatística da Covid-19 que aponta o cenário da doença no município. Sem divulgar os resultados, a nota afirmou que a análise demonstra como as medidas de restrição de circulação noturna e de suspensão de atividades não essenciais impactam sob o avanço da Covid-19 em Vitória da Conquista.

Ainda de acordo com a nota, durante a reunião ficou estabelecido que o estudo técnico que analisa a situação da pandemia no município será apresentado ao Comitê de Representação Civil e Institucional nesta quinta-feira (11). No encontro será discutido com as entidades as propostas para o enfrentamento da pandemia que o município deverá seguir nos próximos dias. Não foram informadas quais medidas o município adotará caso conclua que não irá cumprir o decreto estadual.

Sheila está à frente do comando do município desde 1º de janeiro, quando sucedeu sua mãe Irma Lemos (DEM), ex-vice-prefeita. O titular, reeleito em novembro, está licenciado desde dezembro, quando foi internado por conta das complicações da Covid-19. Ele está há dois meses e meio no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo. Herzem Gusmão voltou para a UTI no último fim de semana, após apresentar regressão em seu quadro de saúde.

Na data da publicação do primeiro decreto estadual, em 17 de fevereiro, restringindo a circulação noturna, a Prefeitura chegou a anunciar que não aplicaria as normas no município. Em resposta, o governador Rui Costa (PT) disse que as polícias Militar e Civil fariam cumprir o decreto. Em seguida, a prefeitura voltou atrás e anunciou que iria cumprir as normas.

A princípio, o toque de recolher foi das 22h às 5h, sendo ampliado dias depois para as 20h. No dia 26, um novo decreto determinou o fechamento das atividades consideradas não essenciais. Já no dia 2, o governador resolveu liberar o funcionamento do comércio em Vitória da Conquista e outras cidades baianas, no entanto, a validade do toque de recolher foi ampliada até 1º de abril e nos fins de semana continua proibido a abertura destes estabelecimentos.

Na ocasião do início da medidas, Vitória da Conquista registrava registrava 19.225 casos, 293 óbitos e 408 casos ativos. Passados 20 dias, o município registrou mais 1.931 casos e 45 mortes. O número de casos ativos saltou para 472.

Aliada ao número elevado de óbitos, a quantidade de conquistenses internados em UTI caiu nas últimas semanas. No fim de fevereiro, a quantidade de pacientes sob cuidados intensivos variava entre 24 e 27. Já nesta quarta-feira, dos 59 internados nas UTI’s credenciadas à rede SUS, 10 são de Vitória da Conquista.

Caso a Prefeitura decida não obedecer as normas estaduais, o caminho será questionar as medidas na justiça, como fez a Associação Comercial e Industrial de Luís Eduardo Magalhães (Acelem), no Oeste do Estado. O pleito foi atendido pela justiça local, mas o governo, por meio da Procuradoria Geral do Estado (PGE) recorreu e o Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA) suspendeu os efeitos da liminar.

Ainda relacionado ao combate à Covid-19, a prefeitura em exercício assinou o protocolo de intenções para integrar o consórcio para compra de vacinas idealizado pela Frente Nacional de Prefeitos.

Ouça a entrevista com o secretário Kairan Rocha

Boletim Covid-19 em Vitória da Conquista

Nesta quarta-feira (10), o Boletim epidemiológico contabiliza 21.156 casos confirmados da Covid-19 em Conquista. Das pessoas que já se contaminaram, 20.348 estão recuperadas e 472 ainda estão apresentando sintomas e seguem em recuperação – 37 estão internados em Vitória da Conquista; cinco, em outros municípios; e 430 em tratamento domiciliar.

Ainda há 3.622 casos notificados por suspeita de infecção pela Covid que aguardam classificação final por investigação clínico-epidemiológico e/ou laboratorial. Além disso, 14.998 casos foram descartados para a doença.

Hoje, foram confirmados os falecimentos de dois pacientes por complicações em decorrência da Covid-19, somando um total de 336 óbitos de moradores do município.

335º óbito – Homem de 66 anos, morador do bairro Santa Cruz, portador de Diabetes Melito, Pneumopatia e Hipertensão. Estava internado desde o dia 25 de fevereiro no Hospital Geral de Vitória da Conquista (HGVC), onde faleceu em 9 de março.

336º óbito – Homem de 29 anos, morador do povoado do Choça, portador de obesidade. Foi internado no dia 10 de março na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), onde veio a falecer no mesmo dia.

Ocupação de Leitos – Neste momento, 107 pacientes estão internados em parte dos 148 leitos disponíveis (78 enfermarias e 70 leitos de UTI) na rede SUS para tratamento de pacientes confirmados ou com suspeita de infecção pelo novo Coronavírus. Além de moradores de Vitória da Conquista, também estão internados residentes dos seguintes municípios:

  • Barra do Choça;
  • Belo Campo;
  • Brumado;
  • Caatiba;
  • Caculé;
  • Caetanos;
  • Cândido Sales;
  • Caraíbas;
  • Caturama;
  • Dom Basílio;
  • Eunápolis;
  • Guajeru;
  • Guanambi;
  • Ibicuí;
  • Ibipitanga;
  • Igaporã;
  • Itambé;
  • Itapetinga;
  • Jacaraci;
  • Jânio Quadros;
  • Jequié;
  • Licínio de Almeida;
  • Livramento de Nossa Senhora;
  • Macarani;
  • Macaúbas;
  • Malhada;
  • Malhada de Pedras;
  • Maracás;
  • Palmas de Monte Alto;
  • Paramirim;
  • Pindaí;
  • Planalto;
  • Rio de Contas;
  • Rio do Pires;
  • Tanhaçu;
  • Tremedal;
  • Saquarema-RJ.

Clique aqui para acessar o Boletim epidemiológico completo.

Call Center– A Secretaria Municipal de Saúde disponibiliza um Call Center para tirar dúvidas da população sobre a Covid-19 e atender pessoas que apresentem sintomas suspeitos.

  • Telefones fixos:(77) 3429-3468/3429-3469/3429-3470
  • Celulares:(77) 98834-9988 / 98834-9900 / 98834-9977 / 98834-9911 / 98856-4242 / 98856-4452 / 98856-3722/ 98825-5683/ 98834-8484
  • Call Center Noturno:(77) 98856-3397/98856-5268
  • Call Center do Trabalhador de Saúde:(77) 98856-3345 / 98809-2919 / 98809-2965

Bahia Conquista e Região Com recorde de mortes e de casos, prefeitura de Vitória da Conquista...

Deixe uma resposta

Relacionadas