Cadernetas agroecológicas ajudam mulheres quilombolas de Caetité a melhorar gestão de suas produções

- Advertisement -

Últimas Notícias

Tiago Marqueshttps://agenciasertao.com/
Tiago Marques é redator e editor do site Agência Sertão. Trabalha com produção de conteúdo noticioso para rádio e internet desde 2015.
- Advertisement -

As produções de ovos de galinha caipira de quintal, artesanatos, hortaliças e outros produtos da Comunidade Quilombola Vargem do Sal, no município de Caetité, território Sertão Produtivo, passaram a contar com um novo instrumento para melhorar a gestão.

Com a introdução da Caderneta Agroecológica, as mulheres da comunidade estão avançando na produção a partir da sistematização dos seus trabalhos. Nesta quinta-feira (15), alguns desses resultados foram apresentados durante a Oficina de Monitoramento das Cadernetas Agroecológicas, executada pela Cootraf, com o apoio da Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural (Bahiater), vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR).

“Observamos onde a produção está centralizada para o consumo, para venda… A maioria está para o consumo, então percebemos como o trabalho das mulheres tem um papel importante para a segurança alimentar das famílias e com a produção de alimentos agroecológicos. E na oficina de hoje, analisamos os impactos da Caderneta Agroecológica, desde o momento em que as agricultoras familiares iniciaram as anotações. Colhemos depoimentos e trouxemos resultados da sistematização dos dados das experiências de duas agricultoras da comunidade, relacionadas às suas produções. Para elas foi um impacto porque não tinham o hábito de anotar e não sabiam o quanto o trabalho delas rendia e agora elas estão vendo”, explica Flaviane Araújo, coordenadora do projeto ATER Mulher.

De acordo com Flaviane, com o trabalho de assistência técnica e extensão rural (ATER), que tem sido realizado na comunidade, a produção das agricultoras teve uma quantidade maior de vendas. Para Luciene Maria, artesã do grupo Palhas de Aço, que é atendida pela ATER Mulher e produz artesanato com palha de licuri, a Caderneta proporcionou mais autonomia.

“A Caderneta é de grande valia. A gente não tinha noção do quanto produzia por mês ou por ano, e hoje temos. A gente consome, vende, doa, troca… Depois da Caderneta, vimos a mudança e o quanto produzimos e consumimos. Antes, a gente dependia muito de homem, e com a caderneta a gente tem autonomia e liberdade”, reflete a artesã. A comunidade iniciou as anotações em outubro de 2021.

De acordo com a Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), as produções de ovos de galinha caipira de quintal, artesanatos, hortaliças e outros produtos da Comunidade Quilombola Vargem do Sal, no município de Caetité, território Sertão Produtivo, passaram a contar com um novo instrumento para melhorar a gestão.

Com a introdução da Caderneta Agroecológica, as mulheres da comunidade estão avançando na produção a partir da sistematização dos seus trabalhos. Nesta quinta-feira (15), alguns desses resultados foram apresentados durante a Oficina de Monitoramento das Cadernetas Agroecológicas, executada pela Cootraf, com o apoio da Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural (Bahiater), vinculada à SDR.

“Observamos onde a produção está centralizada para o consumo, para venda… A maioria está para o consumo, então percebemos como o trabalho das mulheres tem um papel importante para a segurança alimentar das famílias e com a produção de alimentos agroecológicos. E na oficina de hoje, analisamos os impactos da Caderneta Agroecológica, desde o momento em que as agricultoras familiares iniciaram as anotações. Colhemos depoimentos e trouxemos resultados da sistematização dos dados das experiências de duas agricultoras da comunidade, relacionadas às suas produções. Para elas foi um impacto porque não tinham o hábito de anotar e não sabiam o quanto o trabalho delas rendia e agora elas estão vendo”, explica Flaviane Araújo, coordenadora do projeto ATER Mulher.

De acordo com Flaviane, com o trabalho de assistência técnica e extensão rural (ATER), que tem sido realizado na comunidade, a produção das agricultoras teve uma quantidade maior de vendas. Para Luciene Maria, artesã do grupo Palhas de Aço, que é atendida pela ATER Mulher e produz artesanato com palha de licuri, a Caderneta proporcionou mais autonomia.

“A Caderneta é de grande valia. A gente não tinha noção do quanto produzia por mês ou por ano, e hoje temos. A gente consome, vende, doa, troca… Depois da Caderneta, vimos a mudança e o quanto produzimos e consumimos. Antes, a gente dependia muito de homem, e com a caderneta a gente tem autonomia e liberdade”, reflete a artesã. A comunidade iniciou as anotações em outubro de 2021.

Oficina

Durante a Oficina de Monitoramento das Cadernetas Agroecológicas, as agricultoras familiares da Comunidade Quilombola Vargem do Sal contaram ainda com aulas sobre manejo sanitário preventivo, com foco na vacinação de aves, ministrado pela médica veterinária Jacione Bastos, que reforçou a importância da vacinação das galinhas caipiras, para evitar doenças como abouba aviária e coriza infecciosa médica veterinária.

- Advertisement -
- Advertisement -

Relacionadas

Deixe uma resposta

- Advertisement -

Mais Lidas

- Advertisement -