25.7 C
Guanambi
20.9 C
Vitória da Conquista

Bahia colheu 615 mil toneladas de algodão na safra 22/23 e se consolidou como segundo maior produtor do Brasil

Mais Lidas

Após conclusão do período de colheita da safra 2022/23, a Bahia se consolida como o segundo maior estado produtor de algodão do Brasil. No período, foram registrados números promissores para o setor. A Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) divulgou dados durante uma reunião da Câmara Setorial do Algodão e seus Derivados, do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), na última terça (3), que destacam a relevância da cultura do algodão na região oeste do estado.

De acordo com informações da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura da Bahia (Seagri), segundo os números revelados, o estado da Bahia alcançou uma produção de aproximadamente 615 mil toneladas de algodão, beneficiado em uma área de 312,6 mil hectares. Isso representou uma produtividade aproximadamente de 1968 quilos de pluma por hectare. Com base nesses resultados, a Abapa está otimista em relação à próxima safra, estimando um aumento de 2,4% na área plantada para a safra 2023/2024, com uma produção projetada de 612 mil toneladas. No entanto, é esperado uma leve queda na produtividade, que deverá girar em torno de 1913 quilos de pluma por hectare, uma redução de 2,8%.

“Além de ser o segundo maior produtor de algodão do Brasil, a Bahia produz uma pluma de qualidade comparada à pluma do Egito, que é considerada a melhor do mundo. Então estamos presenciando uma produção recorde no que diz respeito à quantidade e um reconhecimento do mercado de que a qualidade também se faz presente”, afirmou o titular da Seagri, Wallison Tum ao analisar o cenário dessa cadeia produtiva.

O presidente da Abapa, Luiz Carlos Bergamaschi, explicou que essa previsão de queda na produtividade é uma estimativa conservadora, baseada na expectativa de que as condições climáticas planejadas da safra anterior não se repetirão no próximo ciclo. “Ainda é muito cedo para estimar um índice mais expressivo. Esta primeira previsão é modesta e condizente com o que dizem as estatísticas”, afirmou.

Apesar do clima melhorar durante a safra anterior, a ocorrência de chuvas tardias afetou o ritmo da colheita, levando a um adiamento de dez dias no prazo para o término e destruição das soqueiras, atendendo a uma solicitação da Abapa à Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), órgão integrado a Seagri.

Devido às condições climáticas, a semeadura do algodão para a safra 2023/2024 foi antecipada, com previsão de ocorrência de 11 de novembro a 31 de dezembro deste ano. Como resultado, o período de “vazio sanitário” também chegará mais cedo, com previsão de início em setembro de 2024.

Bergamaschi enfatizou a qualidade da safra anterior de algodão na Bahia, atribuindo-a ao manejo adequado das atividades e à adoção contínua de boas práticas pelos produtores. Ele destacou que cerca de 80% do algodão colhido no estado já foi beneficiado, e aproximadamente 75% passou por análises laboratoriais com resultados considerados excelentes.

“A dedicação, nesse momento, está focada na execução do Vazio Sanitário, para que seja eficiente, mantendo a vigilância constante aplicada no combate e controle do bicudo-do-algodoeiro. Agora também é hora de se preparar para a próxima safra, revisando todos os processos e buscando cada vez mais eficiência”, concluiu Bergamaschi.

Com perspectivas positivas para o setor de algodão na Bahia, os produtores continuam a desempenhar um papel crucial na economia agrícola do estado, mantendo a qualidade e a sustentabilidade como prioridades para o futuro.

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas