Tiago Marques | Redação 96FM

Criado em 2010, o Parque Estadual da Serra dos Montes Altos pode sofrer severas interferências em sua preservação. Pelo menos é o que pretende a  Deputada Ivana Bastos (PSD) ao protocolar na última terça-feira (02) na Assembleia Legislativa a Indicação nº 21375/2015 que prevê a elaboração da norma legal para implantação do Parque Eólico dos Montes Altos na Serra. O decreto criau o Parque Estadual e proíbe a ocupação da área, vedando as atividades exploratórias no parque.

Para a deputada,  é desejo da população que vive na Região que a área receba o empreendimento eólico para que investimentos beneficiem a população, mesmo estando em uma área de preservação ambiental.

VEJA O VÍDEO DO DENDÊ NA MOCHILA SOBRE O PARQUE

parque montes altos
Parque engloba os municípios de Candiba, Sebastião Laranjeiras, Pindaí, Guanambi e Palmas de Monte Alto – Imagem mostra destaque para a área ainda preservada.

Segundo o Decreto 12486 de 2010 a criação do Parque visa preservar as riquezas do local, como a vegetação de transição de Caatinga/Cerrado, repleta de espécies raras e abrigo de animais ameaçados de extinção. Visa também garantir a preservação dos mananciais e cursos d´água, do rico patrimônio arqueológico e possibilitar o desenvolvimento de atividades de educação, bem como garantir. O Parque possui algumas das poucas nascentes perenes da Região e a atividade pode afetar a disponibilidade de água.

Veja os incisos do Decreto

I – assegurar a conservação da biodiversidade regional, garantindo condições para a existência da fauna de mamíferos, com ênfase no cachorro-vinagre, Speothos venaticus, ameaçado de extinção; Ver tópico

II – garantir a manutenção de populações viáveis de espécies de mamíferos ameaçadas de extinção, especialmente o cachorro-vinagre, Speothos venaticus; Ver tópico

III- proteger integralmente e regenerar os ecossistemas naturais da transição entre Caatinga e Cerrado, por abrigarem espécies raras e endêmicas; Ver tópico

IV – proteger o patrimônio arqueológico, em especial as pinturas rupestres, a estrutura de habitação de pedra denominada ?Casa de Pedra? e o sítio arqueoastronômico; Ver tópico

V – manter e recuperar mananciais e cursos d’água; Ver tópico

VI – possibilitar o desenvolvimento de atividades de educação e interpretação ambiental e de pesquisa científica. Ver tópico

Energia Limpa?

Especialistas afirmam que a Energia Eólica não é tão limpa assim como é pregado. Em artigo do pesquisador Robert Bryce na Revista Superinteressante, diz que embora o ar seja grátis, para produzir 1 megawatt, são usadas cerca de 50 toneladas de estanho na construção da torre. Já com gás natural, uma turbina produz essa mesma energia com apenas 0,3 tonelada de estanho. Além disso, a área necessária é 20 vezes maior. Para construir as torres é necessário criar estradas para dar acesso, ou seja, proporcionar o desmatamento de uma extensa área.

11954571_10203642861310461_2274026306882422700_n

Anúncio

18 comentários

    • a energia eólica é considera uma forma produção , causando danos as população de Monte Alto,polui o meio ambiente, e não está imune uns desses fatores,afastará os moradores circunvizinhanças, como também eliminada da natureza mamiferos. A questão é : Os empreendedores poucos se importa com o meio ambiente e comunidade em entorno. Ainda assim muitos politicos interessado em votos, tem aprovado a instalação, iludindo a população que empreendimento vai gerar riquezas e renda. Balela. Meu total repudio a senhora dona Deputada.

  1. Correto que esse empreendimento traz crescimento econômico para os moradores da região, olhando por esse lado querem só o que lhes interessa, não pensam nos problemas futuros, as nascentes que serão “mortas” de forma gananciosa. Agora a senhora deputada deveria ter um pouco de escrúpulo e vergonha na cara de apoiar esse ato destruidor.
    Sempre que posso vou acampar la no rio mandiroba no PESMA, sou apaixonado por aquele lugar e garanto que outras centenas e pq não dizer milhares de pessoas que são como eu não irão gostar nada disso e aposto que irão ao menos tentar impedir esse ato destruidor.
    É por esse e por outros atos que eu anulo meu voto em todas eleições.

  2. Acho uma situação que traz muitas aberturas para prestarmos atenção no que vem destruindo e ainda está destruindo a natureza da nossa região, modificando o clima levando a agricultura regional à falência graças aos desmatamentos criminosos voltados para criação de gado com o objetivo comercial da minoria, o fabrico de carvão para benefício de outros, caça aos animais selvagens por satisfação egoísta de alguns, coisa que ainda acontece na região, falta de tratamento de esgotos e falta de destinação ao lixo urbano… Esses atos provocam uma degradação bem maior na natureza do que a implantação das torres eólicas para gerar energia, que é uma necessidade comum da nação!
    UM SENSACIONALISMO INSENSATO E CONIVENTE DIVERGÊNCIAS POLÍTICAS é o que vejo!

  3. CARAMBA DONA IVANA QUE MANCADA HEIN..
    Aborta a missão deputada, logo a senhora que é tão bem elogiada por todos por sua competência, querendo acabar com uma reserva ambiental (praticamente a única de nossa região). Concordo que os benefícios econômicos são inúmeros, porem temos que ser mais inteligentes e pensar em nosso futuro. Nosso planeta pede socorro, e acredito que essa seja a sua oportunidade de escolher entre dinheiro e saúde para nosso povo.
    Repetindo “ABORTA A MISSÃO DEPUTADA”

  4. É claro que a Deputada está se rendendo aos interesses econômicos de uma minoria em detrimento da vontade de uma maioria de pequenos agricultores do entorno da Serra e das comunidades dos municípios que dividem administrativamente a Serra. O lucro, mesmo que pequeno, só caberia a poucos proprietários de terras. O Estado em vez de se tornar vilão, deveria investir no projeto original do Parque, contratando gestor, melhorando os acessos à Serra, protegendo os 9 sítios com arte rupestre, o sítio arqueoastronômico, a Casa de Pedra e os Currais de Pedra (sítios históricos – datados para o ano de 1730), os sítios aldeias da Tradição Aratu (datados para o ano 1200). O Estado então deveria incentivar as atividades de educação ambiental e patrimonial além do turismo. Esses empreendimentos sim, com certeza gerariam lucros eternamente para as comunidades locais.
    Diga-se de passagem senhora Deputada, os sítios arqueológicos citados estão sob a proteção do Governo Federal. Qualquer intervenção nestas áreas será embargada pelo Ministério Público. As áreas ambientais assim como os recursos hídricos estão preservados naturalmente por leis específicas ambientais, garantidos por legislações específicas.
    Qualquer intervenção nessas áreas sofrerá igualmente sanções criminais e a senhora estará neste cenário como cúmplice dos crimes que por ventura possam ocorrer.
    Obviamente que esses crimes não ocorrerão, pois qualquer sinal de ocupação do solo da Serra pelas empresas de construção das torres eólicas, será imediatamente denunciado e o Ministério Público, IBAMA, INEMA, ONGs e comunidades se mobilizarão.
    Que vergonha Deputada, legislando na contra-mão dos direitos à cidadania e da preservação do meio ambiente de especial interesse científico e econômico das comunidades.

  5. Que ridículo heim deputada, legislando na contra mão da história, contra os interesses ambientais. Lembre-se essa é única e última área
    de vegetação nativa existente na região. Porque não indicou um estudo para reduzir os impactos ambientais na região, recuperação das lagoas, do velho chico ou mesmo instalação das benditas nas áreas já degradadas do vale do Iuiu. Seja um pouco mais inteligente.

  6. Que ridículo heim deputada, legislando na contra mão da história, contra os interesses ambientais. Lembre-se essa é única e última área
    de vegetação nativa existente na região. Porque não indicou um estudo para reduzir os impactos ambientais na região, recuperação das lagoas, do velho chico ou mesmo instalação das benditas nas áreas já degradadas do vale do Iuiu. Seja um pouco mais inteligente.

Deixe uma resposta