20 C
Guanambi
17.9 C
Vitória da Conquista

Rebaixamento da Ceplac causa insatisfação em setores ligados a cacauicultura

Mais Lidas

https://materiais.henet.com.br/guanambi

por Giulia Marquezini | Bahia Notícias 

A sociedade civil vem demonstrando insatisfação geral após a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, ter assinado o decreto que transforma a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac) em um departamento vinculado à pasta. O posicionamento de caucauicultores reflete na opinião de políticos que também tentam reverter a decisão , publicada na edição desta sexta-feira (1º) no Diário Oficial da União (DOU) (confira aqui, aqui, aqui e aqui). Ao Bahia Notícias, o coordenador do Movimento Somos Todos Cacau, Ruy Souza, relatou que os principais atingidos pelas modificações não foram ouvidos. “Há três meses fomos informados que a Ceplac seria rebaixada para departamento. Conversamos com alguns deputados da bancada federal ligados ao governo e pedimos que fossem tomadas providências. Após conversa com a ministra, eles nos garantiram uma modernização da comissão, mas não foi o que aconteceu”, afirmou.  Ainda de acordo com o coordenador, o que mais interessa aos produtores e agricultores é uma modernização da comissão. “Como está também não nos interessa. Queremos que sejam atendidas as necessidades do produtor de cacau do sul da Bahia. A Ceplac era a única que vinha dando assistência ao pequeno agricultor”, relata.


Foto: Stefan Kolumban
Os produtores esperam uma modernização e que sejam feitos estudos para ajudar a cultivar um cacau sem pragas. “Com tudo que está acontecendo ainda conseguimos crescer a produção para 150 mil toneladas anuais, mas estamos em processo de recuperação. Falta incentivo do governo. Hoje a monilia mata mais que a vassoura de bruxa, precisamos de estudos para combater a praga”, conclui. Em fevereiro de 2016, servidores já haviam alertado para a perda de tecnologia e pesquisa (leia aqui). Em nota oficial, a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia (Faeb) se diz surpreendida pela decisão da ministra. De acordo com o documento, uma decisão como esta deveria passar por uma análise criteriosa junto com a categoria: “A cacauicultura vive uma franca retomada de crescimento de produção, abastecendo não só o mercado interno, como iniciando o processo de exportação. A Faeb acredita que ainda é possível abrir um diálogo para uma melhor compreensão ou até mesmo uma avaliação de novos rumos que busquem encontrar o caminho certo para que a Ceplac cumpra seu papel junto aos produtores de cacau do país”. Atuando há quase 60 anos, a Ceplac está presente em seis estados do Brasil e cerca de 60% das atividades da comissão na Bahia estão voltadas ao cacau e à cacauicultura.

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

Últimas Notícias